Arqueólogos descobrem "múmias douradas"

Arqueólogos descobriram algumas das mais adornadas múmias já encontradas num local que ficou conhecido como o "vale das múmias douradas", informou nesta segunda-feira um importante especialista egípcio."Nós descobrimos dois mausoléus com 22 múmias. As 11 primeiras estão entre as melhores que já encontramos. Elas são excepcionalmente ricas e os desenhos e pinturas nos sarcófagos são fantásticos", disse Zahi Hawas, diretor do platô de Gizé e um dos mais importantes arqueólogos do Egito.Moedas de ouro e jarros de vinho foram encontrados junto às múmias. Acredita-se que as moedas - encontradas nas mãos das múmias - representam presentes que seriam dados aos barqueiros na vida após a morte.Os jarros contendo vinho fazem parte de uma herança da área onde as múmias foram enterradas, Bahariya, onde os melhores vinhos foram produzidos durante o período greco-romano, disse Hawas.O oáses de Bahariya ganhou as manchetes dos jornais no ano passado, quando 105 múmias foram encontradas durante a escavação de um enorme cemitério greco-romano.Desde então, mais 125 múmias foram descobertas, elevando o total a 230 múmias. De acordo com Hawas, os arqueólogos esperam encontrar cerca de 10.000 múmias em todo o vale.Na semana passada, na mesma região, arqueólogos descobriram uma múmia decorada com cerca de 100 amuletos de ouro. A múmia é Naesa II, esposa de Jad Khensu Eyuf, que governou o oásis de Bahariya durante o período do faraó Ahmose II, entre 570 e 526 antes de Cristo.A múmia foi descoberta na cidade de Bawiti, 345 quilômetros ao sudoeste do Cairo. Segundo Hawas, pela primeira vez na história foram encontrados tantos amuletos com apenas uma múmia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.