''Arremessador de sapatos'' cria caos no Parlamento

Deputados pedem libertação de repórter e presidente da casa renuncia

Associated Press, O Estadao de S.Paulo

18 de dezembro de 2008 | 00h00

O caos tomou conta ontem do Parlamento iraquiano em meio a discussões sobre o jornalista xiita que atirou seus sapatos contra o presidente americano, George W. Bush, com deputados leais ao clérigo anti-EUA, Muqtada al-Sadr, pedindo sua libertação. Durante a confusão, o presidente do Parlamento anunciou sua renúncia.O jornalista, Muntadhar al-Zaidi, deveria ter comparecido ontem ao principal tribunal do Iraque como primeiro passo no complexo sistema legal que pode terminar em um julgamento criminal. Mas, em vez disso, o juiz visitou-o em sua cela e a família foi orientada a voltar ao tribunal em oito dias, disse o irmão do repórter, Dhargham."Isso significa que meu irmão foi duramente agredido e eles temem que seu comparecimento ao tribunal possa provocar revolta", acrescentou.Funcionários iraquianos e outro irmão de Zaidi desmentiram que o jornalista tenha sido ferido na prisão, depois de arremessar seus sapatos contra Bush no domingo.Zaidi pode ser condenado a 2 anos de prisão de for considerado culpado por insultar um líder estrangeiro. Atirar um sapato contra alguém é uma das piores ofensas em todo o mundo árabe.Ontem, os partidários de Al-Sadr no Parlamento interromperam a sessão convocada para rever a resolução pedindo a retirada de todas tropas americanas do Iraque até o fim de junho. Vários deputados pediram que o caso de Zaidi e as alegações de que ele foi agredido em custódia fossem discutidos. Outros deputados gritaram que o caso era um problema dos tribunais, provocando uma acalorada discussão.Com deputados gritando uns para outros, o presidente do Parlamento, Mahmud al-Mashhadani, um sunita, gritou: "Não há honra em presidir este Parlamento e eu anuncio minha renúncia." Como Al-Mashhadani tem um histórico de comportamento excêntrico, não ficou claro se sua renúncia é séria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.