?Arrependimento? de EUA solucionou crise, diz China

O governo chinês afirmou nesta quinta-feira que a libertação dos 24 tripulantes do avião espião norte-americano, que estavam detidos desde o dia 1º de abril na base naval da ilha de Hainan, só foi possível porque Washington deixou de utilizar ?uma linguagem agressiva? para a crise diplomática que envolveu os dois países, atitude esta que indignou não apenas o povo chinês mas toda a comunidade internacional.De acordo com um editorial publicado hoje no jornal ?China Daily", considerado porta-voz do Partido Comunista da China, ?o governo chinês aceitou a mudança de posição da Casa Branca na crise, já que a atitude passou de beligerância ao arrependimento, de trocar ?sinto muito? por ?sinto profundamente?, o que Pequim respondeu com gratidão?. O editorial acrescenta que ?para que incidentes deste tipo não voltem a se repetir jamais, os EUA devem abandonar sua mentalidade de Guerra Fria com a China e não voltar a nos provocar com missões de vôos espiões sobre nosso território.?A edição do Diário do Povo traz em sua edição de hoje que ?a firmeza do governo chinês em sua luta contra as pretensões hegemônicas dos Estados Unidos forçaram Washington a abandonar sua ?rude atitude inicial? e admitir que estava ?profundamente? arrependido pelo ocorrido.?De acordo com Pequim, o EP-3 realizou uma volta brusca no ar, o que provocou a colisão com o caça chinês ?em uma manobra selvagem que violou as normas mais elementares de navegação aérea?. Os 24 militares americanos estavam detidos na base naval da ilha chinesa de Hainan depois que sua aeronave colidiu com um caça chinês nas costas chinesas. Avariado, o EP-3 precisou fazer uma aterrissagem de emergência sem autorização do governo chinês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.