Arsenal nuclear evitou guerra, diz Musharraf

O presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, disse que o arsenal nuclear mantido por seu país dissuadiu a Índia de iniciar uma guerra de grande escala durante a atual crise na Caxemira, informou uma nota distribuída nesta terça-feira pela agência de notícias do governo paquistanês.Durante um jantar de cientistas e engenheiros paquistaneses na noite desta segunda, Musharraf disse a eles que três testes de capacidade nuclear promovidos pelo Paquistão no mês passado "concluíram" o equilíbrio estratégico na região, ainda de acordo com a agência de notícias."Fomos compelidos a mostrar a eles em maio de 1998 que não estávamos blefando. Agora, em maio de 2002, novamente tivemos de mostrar que não blefamos", disse Musharraf, referindo-se aos primeiros testes nucleares paquistaneses, realizados há pouco mais de quatro anos."Não queremos guerra", garantiu o presidente. "Somos favoráveis à resolução pacífica de todas as disputas, inclusive questões espinhosas como Jammu e Caxemira. Também digo que se uma guerra for imposta a nós, nos defenderemos com todas as nossas forças."Os dois rivais, detentores de arsenais nucleares, ficaram à beira de uma guerra após um atentado contra o Parlamento indiano em dezembro último. Segundo a Índia, o ataque foi uma ação de extremistas islâmicos apoiada pelo governo do Paquistão. A Índia enviou centenas de milhares de soldados à fronteira entre os dois países. O Paquistão também enviou seus soldados à fronteira. O resultado foi a maior mobilização de tropas no subcontinente desde 1971.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.