Articula-se governo de transição para o Afeganistão

Representantes do rei afegão exilado se reunirão na Turquia com membros da Aliança do Norte, opositora do Taleban, para lançar as bases de um governo de transição para o Afeganistão. A reunião está prevista para os próximos dias, anunciou nesta terça-feira Abdul Sattar Sirat, um assessor do rei Mohammad Zaher Shah. Sirat estará à frente de uma delegação, representando o monarca de 87 anos, que vive em Roma desde 1973, após ser deposto por um golpe palaciano. Segundo o assessor real, o principal objetivo da reunião na Turquia será obter consenso sobre a nomeação de membros de um conselho que ajudará a organizar um governo pós-Taleban. O encontro também será uma oportunidade para conversas com funcionários turcos sobre a criação de uma força islâmica de segurança para o Afeganistão, disseram Sirat e outro assessor do rei, Hamid Sidiq. Em Ancara, o primeiro-ministro turco Bulent Ecevit disse que a Turquia recebeu com agrado os sinais de união entre os adversários do Taleban e ficará satisfeita em sediar o encontro. O infortúnio do Afeganistão foi que os grupos da oposição não foram capazes de se unir para fazer frente ao velho regime", disse Ecevit. "Este encontro é muito necessário." O porta-voz da Chancelaria turca, Huseyin Dirioz, disse que nenhuma data foi ainda agendada com funcionários turcos para conversações sobre a força de segurança islâmica. A Turquia, único país islâmico que é membro da OTAN, ofereceu-se para treinar tropas anti-Taleban e participar dos esforços para a pacificação do Afeganistão. Não ficou claro quando será realizada a reunião entre os representantes anti-Taleban, mas um porta-voz da Aliança do Norte, Younus Qanooni, disse à rede de televisão CNN na Turquia que ela poderia realizar-se na próxima semana. Sirat disse que a data será marcada nesta quarta ou quinta-feira. O encontro será um passo crucial para a concretização de um acordo entre os representantes do rei e a Aliança do Norte sobre a formação de um governo transitório. A decisão foi tomada em 1º de outubro, antes do início dos ataques dos EUA ao Afeganistão. Os ataques retardaram o encontro por trazerem novos interlocutores às negociações e complicarem as viagens e comunicações dentro do território afegão. A idéia de um governo transitório de amplas bases apoiado na figura neutra e idosa do rei atraiu o interesse da comunidade internacional. No domingo, Zaher Shah se reuniu com Javier Solana, enviado da União Européia para segurança, o último de uma série de diplomatas que o visitaram. O plano do rei é que o conselho a ser escolhido convoque uma Assembléia afegã ao estilo tradicional, chamada de Loya Jirga, para, de certa forma, servir como governo de transição. Zaher Shah, que reinou por 40 anos, disse não ter interesse em assumir o trono. Leia o especial

Agencia Estado,

23 Outubro 2001 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.