REUTERS/Henry Romero
REUTERS/Henry Romero

Artigo: O passeio do chanceler americano pela América Latina

A exclusão do Brasil do roteiro de Rex Tillerson mostra a falta de sentido realista do Departamento de Estado americano

Rubens Barbosa*, O Estado de S.Paulo

07 Fevereiro 2018 | 05h00

O chanceler americano, Rex Tillerson, faz sua primeira viagem à América Latina, visitando México, Chile, Argentina, Peru, Colômbia e Jamaica, em meio a uma grave crise institucional nos EUA e com o Departamento de Estado em desmonte depois de um ano do governo Trump. 

+ EUA cobram Colômbia por aumento no cultivo de coca; plantio cresce 52%

Durante sua passagem, estão sendo focados os problemas de imigração, comerciais (restrições protecionistas e a negociação do acordo com o México no âmbito do Nafta) e, em especial, a deterioração interna da Venezuela, a crescente presença da China e da Rússia na região, a Cúpula das Américas, a próxima reunião do G-20, meio ambiente e o cultivo e o tráfico de drogas.

O formato de visita e a escolha dos países, neste momento, não poderiam ter sido mais equivocados. Isso mostra o grau de disfuncionalidade do Departamento de Estado e a falta de qualquer sentido realista da política externa em relação à região. O que não chega a ser novidade, quando se examina a política dos EUA no Oriente Médio e na Ásia. 

O canhestro estímulo público a um golpe de estado militar na Venezuela para substituir o regime bolivariano de Nicolás Maduro e as afirmações de que China e Rússia, como potências imperiais, estão explorando os países da região e procurando atraí-los para sua esfera de influência, associados à decisão de excluir o Brasil dessas conversações, mostram uma profunda ignorância sobre o que ocorre na região, a realidade geopolítica, miopia quanto às soluções apresentadas e sinais equivocados sobre o que o governo de Washington, na prática, estaria desejando. 

+ Secretário de Estado dos EUA exclui Brasil de primeira viagem oficial para a América Latina

A participação do Brasil em todos os assuntos discutidos (com exceção obviamente das conversas bilaterais do Nafta) não poderia ser minimizada em virtude do nosso peso como maior e mais importante país na América do Sul. O governo brasileiro, por meio do Itamaraty, teria muito a dizer para o encaminhamento de soluções porque, talvez mais do que nos países visitados, essas questões estão afetando diretamente nossos interesses, incluindo os de segurança.

A questão da Venezuela é mais complexa e exige a atenção brasileira pelo impacto humanitário do número de refugiados em uma região remota e sem a infraestrutura adequada e pelo contrabando de armas e drogas que alimentam grupos criminosos nas principais capitais brasileiras. Aproveitando o vazio deixado pelos EUA, a China e outros países como a Rússia e a Coreia, estão de fato ocupando mais espaços econômicos na região, porém, sem qualquer aparente ativismo político. 

+ 'Estamos preparados', diz Maduro sobre ameaça de embargo dos EUA ao petróleo venezuelano

A China é o primeiro parceiro comercial do Brasil e hoje talvez o principal investidor na região, com mais de US$ 207 bilhões em investimentos de infraestrutura e industriais, dos quais mais de US$ 50 bilhões só no Brasil.

O roteiro mostra que o secretário de Estado evitou cuidadosamente até mesmo sobrevoar o Brasil, sob a alegação de que o País vive uma crise política e não tem uma agenda importante concreta com os EUA.

Ao contrário do que afirmou o Departamento de Estado americano, o Brasil vive em clima de normalidade, com as instituições funcionando em sua plenitude, e há uma importante agenda a ser discutida bilateralmente. Apenas para mencionar as principais: o pedido de entrada do Brasil na OCDE, atualmente bloqueado pelos EUA, a venda de armas de Miami para o tráfico de drogas no Brasil, a política de defesa, o acordo de salvaguarda tecnológica que abriria grandes oportunidades para empresas brasileiras e americanas na área de lançamentos de satélites comerciais, as conversações entre Embraer e Boeing, a crise venezuelana, os imigrantes brasileiros nos EUA, o contencioso comercial (aço, entre outros) e a questão do esvaziamento da Organização Mundial de Comércio (OMC) com a recusa dos EUA de indicar juízes para a corte de apelação, determinando a quase paralisação do julgamento do caso contra a indústria automotiva e de informática nacional promovido pela União Europeia e pelo Japão.

Que sinal os EUA estariam querendo enviar ao Brasil? Como o governo brasileiro deveria interpretar esse ato inamistoso, em um momento político tão delicado internamente e na região, às vésperas da Cúpula das Américas, em abril, no Peru?

* RUBENS BARBOSA FOI EMBAIXADOR DO BRASIL EM WASHINGTON ENTRE 1999 E 2004

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.