EFE/ Michael Reynolds
EFE/ Michael Reynolds

ARTIGO: Obama falava demais sobre armas, a Trump faltam palavras

Presidente americano, que discorda da maioria da população sobre controle de armamentos, ainda se expressa mal

Greg Jaffe & Jenna Johnson, THE WASHINGTON POST, O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2018 | 05h00

Ao se dirigir para a Flórida ontem, o presidente Donald Trump seguiu os passos do ex-presidente Barack Obama, um homem que ele sempre criticou e um líder que enfrentou vários assassinatos em massa nos Estados Unidos.

+ Leis americanas restringem compra de pistolas, mas liberam fuzis para adolescentes

Obama passou para seu sucessor uma resposta quase ritualística às tragédias com armas nos EUA, começando com o ataque em 2011 contra a deputada Gabrielle Giffords, democrata do Arizona, e terminando com o ataque de Dallas em 2016 que deixou cinco policiais mortos. 

Foram 15 discursos na Casa Branca, um número incontável de orações pelas vítimas e mais de uma dezena de visitas aos locais dos massacres. Durante todo esse tempo Obama passou da empatia e das promessas de ação para a cólera e, no final, à derrota. “Não sou inocente”, disse ele em Dallas. “Vi o quão inadequadas minhas palavras têm sido.”

Trump, iniciando o segundo ano da sua presidência e enfrentando agora o terceiro grande assassinato em massa, tem um problema diferente. Seus desafios para se comunicar com o público são de ordem pessoal e política. Enquanto Obama não se cansava de repisar toda a série sem fim de tragédias provocadas pelas armas, Trump – que com frequência tem dificuldade para expressar qualquer empatia – luta para encontrar o que dizer sobre elas.

+ Atirador que matou 17 em escola treinou com grupo extremista branco

Em comunicado da Casa Branca na manhã de quinta-feira sobre o massacre ocorrido na escola da Flórida, ele prometeu trabalhar com o Estado e líderes locais “para lidar com o difícil problema da saúde mental”. Seus comentários, que duraram seis minutos, foram tão genéricos que poderiam ser aplicados a qualquer catástrofe. 

“A todos os pais, professores e crianças que foram tão profundamente afetados, estamos aqui, para o que precisarem e para fazer todo o possível para amenizar sua dor”, disse ele, lendo de um teleprompter, num tom monótono. 

+ Trump vai à Flórida para encontro com vítimas de massacre

Os comentários espelham o que ele afirmou em setembro, após a devastação causada pelo furacão Harvey no Texas e na Louisiana. “Quando um americano sofre – e tenho dito isso bastante, especialmente nos últimos tempos quando muita coisa vem ocorrendo – todos nós sofremos”, afirmou o presidente após a passagem do furação.

Tais palavras assumem um tom discordante com sua presidência até agora. O apelo para “responder ao ódio com amor” e “à crueldade com bondade”, vem de um presidente que reage às críticas revidando “dez vezes mais forte”, como disse certa vez sua mulher, que se orgulha de rebaixar seus rivais com apelidos insultantes.

Raiva. A emoção mais autêntica de Trump – a única que atraiu legiões de seguidores na sua campanha presidencial – é a ira, dizem os assessores. Mas a ira parece ser proibida para Trump no que se refere às causas profundas dos assassinatos em massa e a sua não disposição de agir em Washington. Pesquisas indicam que há um apoio generalizado a uma legislação sobre uso de armas, mas o presidente continua leal a seus eleitores que achavam que Obama estava tentando tirar deles suas armas.

Trump, pelo contrário, atribui repetidamente as doenças mentais a esses massacres, incluindo o da Flórida, embora seu governo tenha cortado fundos para tratamentos de distúrbios mentais.

Para presidentes, as horas e dias posteriores a um massacre podem ser esclarecedoras, expondo suas forças e fraquezas como líderes. Alguns dos momentos mais memoráveis, comoventes e eloquentes de Obama foram observados após tragédias como esta. “Não podemos mais tolerar isso”, disse ele durante uma vigília de orações quando do assassinato de 20 crianças e 6 adultos na escola Sandy Hook, em Connecticut. 

+ Mãe de adolescente que sobreviveu a ataque em escola também é sobrevivente de ação de atirador

Após a morte de nove paroquianos da Igreja Emanuel AME em Charleston, na Carolina do Sul, ele cantou Amazing Grace no estádio repleto de pessoas enlutadas. Mas Obama jamais conseguiu mobilizar o Congresso ou o país no sentido de uma ação – apesar do enorme apoio público a uma legislação coibindo as armas. “Todas as vezes que penso nessas crianças, enlouqueço”, disse ele em 2016, com lágrimas no rosto, lembrando o massacre em Newtown.

Durante sua campanha, Trump teve a grande capacidade de se conectar com seus eleitores apresentando-se como uma pessoa que compreendia seus problemas e lutaria por eles. Essa conexão tem sido mais difícil para ele como presidente. Especialmente em assuntos como o controle de armas, ele está fora de compasso com a maioria do país. 

Quando um homem armado abriu fogo contra uma igreja rural no Texas, matando 26 pessoas, Trump emitiu um breve comunicado insistindo para os americanos “se unirem, darem as mãos e permanecerem fortes”.

A grande questão é se Trump pagará um preço político por sua inércia depois de tragédias envolvendo o uso de armas. A experiência de Obama sugere que não. Em sete anos Obama compareceu a funerais em Tucson, Newtown, Aurora, no Colorado, na base naval em Washington; em Charleston, e Dallas. Na sua última visita, ele questionou se alguns dos discursos, seus apelos a uma ação e manifestações de dor mudaram a maneira de pensar das pessoas sobre o problema. 

+ As vidas perdidas no massacre na escola da Flórida

Tump conhece bem a história de Obama e tem mostrado pouco interesse em promover novas políticas no campo das armas e da saúde mental. Num prazo mais longo, parece que seu diagnóstico é diferente. Em seus comentários, ele fala aos americanos da necessidade de “trabalhar juntos para criar uma cultura em nosso país que abrace a dignidade da vida, crie ligações humanas profundas e significativas e transforme colegas de classe em amigos e vizinhos”.

Mas ao não estabelecer objetivos concretos, Trump parece achar que conseguirá evitar um fracasso legislativo como o de Obama. Parece estar apostando que, no final, os americanos vão se preocupar com outros assuntos e esquecerão. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.