Jason Szenes / EFE
Jason Szenes / EFE

Artigo: Os custos políticos dos escândalos

Conduta errática de Donald Trump piora sua situação, enfraquece a Casa Branca e o Partido Republicano

Jonathan Bernstein* / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2018 | 05h00

Alguns especialistas minimizaram os eventos históricos de terça-feira como apenas mais um obstáculo na rota, sem consequências para o presidente Donald Trump. Não se deixe enganar. As admissões de Michael Cohen não acrescentam muito ao que já sabemos sobre Trump. Ele continua sendo o homem que teve de pagar US$ 25 milhões pela fraude da Universidade Trump e atualmente é processado pelo Estado de Nova York por fraude em sua fundação. Como presidente, ele quase certamente obstruiu a Justiça, abusou de seu poder e usou o cargo para obter lucro pessoal.

A principal reação do público deveria ser de constrangimento de que esse seja o presidente. Essa é apenas a mais recente evidência de que ele é totalmente inadequado para a posição. E é uma mácula no Partido Republicano que o escolheu, em vez das dezenas de políticos perfeitamente aceitáveis que teriam feito nomeações judiciais e políticas fiscais idênticas – e provavelmente teriam sido mais eficazes no avanço de outras metas do partido.

Não há como prever os efeitos dos acontecimentos. No momento, os políticos republicanos têm fortes incentivos para apoiar Trump, pelo menos até as eleições de novembro. Mas não cometa o erro de julgar o escândalo por um padrão de Watergate. Não parta do princípio de que nada pode prejudicar Trump só porque ele foi eleito e mantém apoio republicano. Na verdade, Trump tem sido o presidente menos popular da era das pesquisas. 

Neste momento, ele tem o terceiro pior índice de aprovação dos últimos 13 presidentes, durante 579 dias no cargo. Ele está se saindo melhor apenas do que Ronald Reagan e Harry Truman. E, com 52,4% de desaprovação, Trump está em último lugar neste ponto em uma presidência. Ele conseguiu isso apesar da prosperidade interna e de uma paz relativa no exterior. Por isso, é praticamente certo que todos esses escândalos e seu comportamento inadequado estão prejudicando sua popularidade.

A reputação profissional de Trump também é terrível. No geral, isso faz dele um presidente excepcionalmente fraco – e os problemas legais de seus assessores só vão piorar as coisas. Isso não significa que ele será cassado ou condenado. Também não está claro se suas ações formam um conjunto de fatos exigindo impeachment. Os escândalos, porém, tornam ambos os resultados mais prováveis do que se ele e seus assessores tivessem uma conduta irrepreensível. / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

*É COLUNISTA

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.