REUTERS/Fabrizio Bensch
REUTERS/Fabrizio Bensch

Artista cria mapa de Londres e Berlim com reprodução da destruição de Alepo

Alemão Hans Hack explicou que não compreendia 'de forma tangível' situação daquela que já foi a maior cidade da Síria; ele usou dados de satélite da ONU para projetar a destruição equivalente nos mapas das duas cidades europeias

O Estado de S.Paulo

09 Maio 2017 | 13h57

BERLIM - Os prédios bombardeados e perfurados por balas de Alepo podem não parecer em quase nada com os reluzentes arranha-céus de Londres, mas as duas cidades já tiveram muito em comum, algo que o artista alemão Hans Hack se apropriou para tornar tangível a realidade da guerra.

Antes da guerra civil da Síria, que já dura seis anos, Alepo - assim como Londres - era a maior cidade de seu país e um importante centro comercial. Entretanto, ao contrário da movimentada Londres, metade de Alepo é agora efetivamente uma cidade fantasma.

Para tornar o sofrimento tangível para aqueles na Europa, Hack usou os dados de satélite da ONU da destruição de Alepo e criou mapas equivalentes de Berlim e Londres.

"Para mim é difícil compreender pelas notícias o que significa, o quão fortemente Alepo foi destruída. Eu quis usar essa informação e projetá-la em algo que eu conheço pessoalmente e que posso ter alguma referência. Então, eu escolhi Londres e Berlim", disse Hack.

Se Londres sofresse os mesmo danos que Alepo, bairros inteiros desapareceriam do mapa. Nessa realidade alternativa, o Palácio de Buckingham, o Estádio Olímpico e a torre de Londres são só destroços.

É um eco do que aconteceu em Alepo. Quando o Exército sírio tomou a cidade do controle de rebeldes em dezembro de 2016, a área estava em ruínas.

O que o mapa não mostra são as vítimas humanas. Desde que a guerra civil da Síria começou, o Observatório Sírio para Direitos Humanos estima que a população de Alepo caiu de 2 milhões para 1,3 milhão. Uma queda de mesma proporção em Londres, veria aproximadamente 4,3 milhões de pessoas mortas ou deslocadas. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.