EFE/Jorge Torres
EFE/Jorge Torres

Artistas da Nicarágua fazem apelo à comunidade internacional pelo fim da repressão

Escritores e cantores assinaram documento pedindo intercessão contra medidas violentas adotadas por forças do governo contra manifestantes contrários ao presidente; conflitos deixaram mais de 260 mortos

O Estado de S.Paulo

12 Julho 2018 | 02h01

MANÁGUA - Intelectuais e artistas nicaraguenses assinaram documento nesta quinta-feira, 12, dirigido a toda comunidade internacional pedindo intercessão para "o fim imediato da violência e repressão" sofrida por manifestantes contrários ao presidente da Nicarágua, Daniel Ortega. A onda de protestos atravessa o país há 85 dias e já deixou mais de 260 mortos.

+ Repressão matou 264 na Nicarágua, diz comissão de Direitos Humanos

"O mundo inteiro deve interceder por este pequeno país centroamericano que está sendo massacrado pelo governo de Daniel Ortega", diz o documento, assinado por figuras culturais locais, como os escritores Sergio Ramírez e Gioconda Belli e o cantor Luis Enrique Majía Godoy. 

+ Governo e oposição fazem acordo para que entidades internacionais averiguem mortes na Nicarágua

Segundo o grupo, o governo de Daniel Ortega usa a justificativa de desmontar barricadas erguidas por manifestantes em áreas de conflito para realizar séries de intervenções que deixaram centenas de mortos e feridos, além de pessoas presas e desaparecidas. "Não temos mais armas além da convicção que devemos exigir o fim imediato da violência e da repressão e o fim das práticas terroristas adotadas pelo Estado", afirmam os artistas.

+ MÁRIO VARGAS LLOSA: Nicarágua, hora zero

A onda de protestos na Nicarágua começou no dia 18 de abril contra uma proposta de reforma previdenciária anunciada por Daniel Ortega. As manifestações rapidamente se transformaram em um movimento que exige a renúncia do presidente, que está no cargo há onze anos sob acusações de abuso de poder e corrupção. //AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.