Efe
Efe

Artistas latino-americanos alcançam preços recordes em leilão em Nova York

Uma das peças mais caras da noite foi 'Sonhos do carnaval', do brasileiro Emiliano di Cavalcanti, vendida por US$ 782.500

Efe,

27 de maio de 2011 | 04h14

NOVA YORK - As obras de oito artistas latino-americanos alcançaram na quinta-feira, 26, preços recordes em um leilão organizado pela Christie's em Nova York, onde uma pintura do brasileiro Emiliano di Cavalcanti atingiu quase US$ 800 mil.

Também foram postas à venda sete obras do colombiano Fernando Botero, como 'Woman in Front of a Mirror' e 'Homage to Bonnard', negociadas por US$ 602.500 cada uma, e "Standing Woman", arrematada por US$ 290.500. Já as outras quatro não encontraram comprador.

A obra protagonista do leilão, no entanto, foi 'Ofrecimiento de frutas al templo', do mexicano Miguel Covarrubias, vendida por US$ 850 mil, mas cujo valor total, após incluídas as correspondentes comissões, chegou a US$ 1.022.500.

Uma das peças mais caras da noite foi 'Sonhos do carnaval', do brasileiro Emiliano di Cavalcanti, vendida por US$ 782.500, ao tempo que por US$ 482.500 foram arrematadas tanto 'J'arrive', do cubano Wifredo Lam, como 'Berber Still Life', do chileno Claudio Bravo.

Na primeira parte de um leilão que continuará nesta sexta-feira, 27, e que o responsável de arte latino-americana da Christie's, Virgilio Garza, qualificou de extraordinária por representar muito bem a dinâmica e a riqueza da arte latino-americana, foram colocadas à venda ainda destacadas obras do chileno Matta, como "Regard du germe", que foi adquirida por US$ 710.500.

Das obras que superaram US$ 500 mil, 'Femme Peignant ses Cheveux', de Wifredo Lam foi adquirida por US$ 662.500.

O leilão da quinta-feira, 26, aconteceu um dia após outro organizado pela casa Sotheby's, também em Nova York, no qual peças de arte latino-americana alcançaram, juntas, o montante de US$ 21,67 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
leilãochristieemiliano di cavalcanti

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.