As fantasias de Berlusconi

Garota teria usado máscara de Ronaldinho para dançar na casa do ex-premiê

O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2012 | 03h02

Até mesmo o futebol servia como inspiração para os strip-teases que Silvio Berlusconi organizava em sua mansão em Arcore, nas proximidades de Milão, enquanto ainda era primeiro-ministro da Itália. A informação é de Imane Fadil, uma modelo marroquina que diz ter participado das festas apelidadas de "bunga-bunga".

A jovem afirmou ontem à Justiça italiana que, em agosto de 2010, sua colega brasileira Íris Berardi caracterizou-se como o meia-atacante Ronaldinho Gaúcho - que na época jogava no Milan, clube que pertence ao ex-premiê - para despir-se diante de "Il Cavalieri" e seus convidados.

Na fantasia, Íris teria usado uma máscara do jogador, com seus dentes proeminentes, e uma camisa do Milan.

Imane afirmou ter recebido 2 mil para participar das festas eróticas e prestou depoimento no processo que acusa o ex-primeiro-ministro de manter relações com a também marroquina Karima el-Mahroug - conhecida como Ruby "Rouba Corações" - quando ela ainda era menor.

A religião, segundo o recente relato, era outro tema de inspiração para os strip-teases na mansão do Cavalieri. Imane afirmou que, durante uma orgia em fevereiro de 2010 "duas meninas protagonizavam uma dança sexy, uma espécie de 'lap dance' na sala do bunga-bunga". "Elas estavam vestidas com uma túnica negra, um véu branco e uma cruz."

De acordo com a modelo, uma das "freiras" era Nicole Minetti, que foi eleita vereadora (conselheira regional) na Lombardia, pelo partido Povo da Liberdade, legenda fundada por Berlusconi.

A outra stripper foi identificada como Barbara Faggioli que, segundo Imane, afirmou que Ruby "tinha vídeos e fotos muito comprometedores" sobre o que ocorria na mansão do ex-premiê. "Ela podia se vingar ou pôr em apuros" o ex-premiê, disse Imane. A modelo afirmou que se sentiu "desconcertada" e "incomodada" ao comparecer à festa do Cavalieri, mas que aceitou voltar à mansão.

Imane confirmou que as garotas eram "remuneradas" por "favores sexuais" para Berlusconi. "Elas faziam de tudo para passar a noite por lá."

A modelo afirmou que, após esse escândalo envolvendo o ex-premiê ser revelado, assustou-se com um desconhecido, que a pressionou para voltar à mansão das festas. "Entre maio e junho de 2011, aproximou-se de mim um homem alto e loiro, com olhos azuis, que me disse ser italiano, mas não era. Ele me deu um telefone com um cartão e disse que telefonaria no momento adequado para ir para lá." Imane afirmou que recebeu várias ligações, mas que não foi ao local.

Ontem, o ex-diretor do jornal italiano Avanti Valter Lavitola, acusado de chantagear Berlusconi em razão das festas eróticas, foi detido em Roma, ao retornar à Itália após ter fugido para a Argentina. Ele diz querer "esclarecer" sua situação. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.