As Farc avisam: políticos seqüestrados estão se debilitando

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) advertiram hoje que "a integridade e o físico" dos dirigentes políticos seqüestrados pelo grupo estão se debilitando devido à "indiferença" do governo em negociar uma solução para o caso. O dirigente das Farc, Guillermo Sáenz Vargas, vulgo "Alfonso Cano", enviou nesta sexta-feira um vídeo aos meios de comunicação em que reclama uma solução imediata para o problema dos seqüestrados. As Farc têm em seu poder 12 políticos - entre eles, o governador do departamento (estado) de Antioquia, Guillermo Gaviria, o ex-ministro da Defesa, Gilberto Echeverri, e a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt. No vídeo, Sáenz Vargas adverte sobre os riscos para a vida dos reféns, embora não tenha esclarecido quais deles estão em más condições em plena selva colombiana. O chefe guerrilheiro insistiu em negociar a entrega dos políticos e funcionários seqüestrados em troca da libertação de vários rebeldes enfermos que estão em prisões colombianas. O governo do presidente Alvaro Uribe pediu a mediação das Nações Unidas para buscar alternativas de diálogo com as Farc, consideradas a principal organização rebelde do país. Mas as Farc responderam que esse diálogo deve realizar-se diretamente entre o governo e a guerrilha, sem a mediação da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.