Jonathan Ernst/Pool
Jonathan Ernst/Pool

As performances e as curiosidades da posse de Joe Biden

Democrata assumiu presidência dos EUA nesta quarta-feira, 20, em cerimônia com grandes nomes da música e momentos inusitados

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2021 | 20h33

A posse de Joe Biden e Kamala Harris nesta quarta-feira, 20, reuniu alguns grandes nomes da música americana, além de uma poeta ativista de 22 anos – a mais jovem a ser convidada para este evento desde quando Robert Frost, então com 87 anos, iniciou a tradição na inauguração do mandato de John Kennedy em 1961.

A participação de artistas é uma tradição nos eventos de posse de presidentes americanos há décadas. Frank Sinatra e Ella Fitzgerald, por exemplo, se apresentaram para Kennedy; Michael Jackson e Bob Dylan recepcionaram Clinton. A posse de Barack Obama contou com Beyoncé e Jay-Z. 

Até então, era comum que celebridades deixassem o partidarismo de lado e participassem de festividades independentemente de sua filiação política. Trump, no entanto, teve dificuldades para fechar um line-up após artistas consagrados como Elton John e Celine Dion se recusarem publicamente a participar de sua cerimônia em 2017. 

Confira quem foram os artistas que se apresentaram na posse de Biden:

Patricia Treacy

A violinista irlandesa Patricia Treacy se apresentou para Biden e sua família durante uma missa particular antes do evento de posse. Treacy fez sua estreia como solista no Carnegie Hall de Nova York em 2009 e já se apresentou para Biden em várias ocasiões.

Lady Gaga

A cantora e sensação pop Lady Gaga cantou o hino nacional dos Estados Unidos, The Star-Spangled Banner, durante a cerimônia de posse. Vencedora de vários Grammy e um Oscar, Gaga regularmente apareceu na campanha de Biden no ano passado.

Jennifer Lopez

Considerada a artista latina mais influente na América do Norte, a cantora, atriz e empresária Jennifer Lopez arriscou um mash-up de This Land is Your Land, de Woody Guthrie, America the Beautiful, de Ray Charles, e seu próprio sucesso Let’s Get Loud – declamando ainda uma linha do juramento à bandeira americana, Pledge of Allegiance, em espanhol. 

Garth Brooks

O superstar do country Garth Brooks, um dos artistas musicais que mais vendem no mundo, chegando a superar Elvis Presley, cantou Amazing Grace, hino cristão do poeta inglês e clérigo anglicano John Newton publicado em 1779 e muito comum em países de língua inglesa. Brooks vem se apresentando para todos os presidentes desde Jimmy Carter, com exceção de Ronald Reagan e Donald Trump. 

Amanda Gorman

Amanda Gorman, de 22 anos, é a mais jovem poeta a participar da posse de um presidente americano. Ativista, escreve sobre a diáspora negra, o feminismo, injustiças sociais e questões de raça, e leu o poema The Hill We Climb, que dá título ao livro que lançará em setembro deste ano. 

Programação estendida

Além dos artistas que se apresentaram durante a cerimônia de posse, a programação estendida do evento contará ainda com nomes como The New Radicals, que vão se reunir pela primeira vez em 22 anos, Jon Bon Jovi, John Legend, Foo Fighters, Katy Perry, Bruce Springsteen, Demi Lovato e Justin Timberlake.

Curiosidades da cerimônia

A posse de Biden teve ainda alguns momentos curiosos. O ex-presidente Bill Clinton, que compareceu à cerimônia acompanhado pela ex-secretária de Estado e ex-candidata democrata Hillary Clinton, foi flagrado aparentemente ‘dormindo’ em alguns momentos da cerimônia.

Outro momento curioso foi a “despedida” do ex-vice-presidente Mike Pence. Após o fim da cerimônia, ele foi acompanhado pela vice-presidente Kamala Harris a uma carreata que marcou seu retorno à vida civil. O momento foi simbólico após os tumultos que marcaram a transição de poder entre republicanos e democratas -- e principalmente após Pence não ter participado da despedida de Trump, alegando problemas de logística, mas ter comparecido à posse de Biden.

Nas redes sociais, observadores buscavam simbolismos durante o evento. Celebrado em janeiro, mês de inverno nos Estados Unidos, o evento de posse é sempre sujeito a condições climáticas – quando Donald Trump assumiu o cargo, por exemplo, garoava. Dessa vez, no entanto, os vencedores tomaram posse sob sol.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.