As provas contra Bin Laden, segundo jornal inglês

O dissidente saudita Osama bin Laden foi apontado pelos Estados Unidos como o principal responsável pelos atentados terroristas em Washington e Nova York na terça-feira da semana passada. Nesta quarta-feira, o jornal britânico The Independent reconstruiu os elementos contra ele que surgiram até agora.De acordo com o diário, os investigadores norte-americanos encontram-se diante de uma intrincada rede de contatos, conexões e células espalhada por todo o mundo. Parte dessas redes aponta diretamente para equipes de quatro ou cinco homens que, supõe-se, estavam a bordo dos aviões seqüestrados.A seguir as principais equipes descobertas até agora, segundo o Independent:A pista de Boston - Segundo o FBI, dois dos supostos terroristas, Ahmed al-Ghamdi e Satam al-Suqai, estavam em contato com um ex-taxista, que atualmente está sendo processado na Jordânia.O taxista, Raed Hijazi, deu os nomes de alguns membros da Al-Qaida (organização liderada por Bin Laden), entre eles o de Nabil al-Marabh, que, segundo as investigações da alfândega norte-americana, estava em contato com Ghamdi e al-Sugami.Al-Marabh, que agora é procurado pelo FBI, vive nos Estados Unidos desde 1990. Deixou mulher e um filho em Boston.A pista de Kuala Lumpur - Khalid al-Midhar e Nawaq al-Hamzi (que supostamente estavam a bordo do avião da American Airlines que se chocou contra o Pentágono), foram reconhecidos em um vídeo da CIA, no qual se vê uma reunião de ativistas de Bin Laden de janeiro de 2000.A pista da Argélia - Um franco-argelino, Zacarias Moussaoui, foi detido em Minnesota em agosto por violação de leis migratórias. Antes de viajar aos Estados Unidos, viveu em Brixton, bairro ao sul de Londres. Segundo o jornal francês Liberation, os serviços secretos franceses consideram que Moussaoui foi treinado em um campo de Bin Laden no Afeganistão.A pista de Hamburgo - Pelo menos três dos supostos seqüestradores, Mohamed Atta, Marwan al-Shehhi e Ziad Jarrah, foram inscritos na Universidade de Hamburgo. Jarrah esteve por 18 meses no Afeganistão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.