Rick Osentoski/AP
Rick Osentoski/AP

Às vésperas de 1° debate, Romney ataca política externa de Obama

Candidato republicano tenta ganhar votos ao relacionar a Casa Branca com o caos no Oriente Médio

estadão.com.br,

01 de outubro de 2012 | 20h14

WASHINGTON - Mitt Romney atacou nesta segunda-feira, 1, a política do presidente Barack Obama para o Oriente Médio. O candidato republicano disse que seu rival promove o caos na região, o que coloca os EUA em risco. Em artigo no Wall Street Journal, ele citou como exemplos as crises na Síria, Líbia, Egito e a incerteza sobre Israel e Irã para pedir "uma nova estratégia para o Oriente Médio", embora não tenha apresentado detalhes sobre seus próprios planos.

Veja também:

link Obama e Romney saem de cena para se prepararem para debate

link Debates dão início à fase decisiva de eleição nos EUA

A crítica de Romney veio no momento em que o Oriente Médio presencia uma nova onda de violência e depois que autoridades dos EUA reconheceram que o ataque ao consulado americano em Benghazi, na Líbia, foi um atentado deliberado de militantes da Al-Qaeda.

A acusação também precede o primeiro debate presidencial,na quarta-feira, no qual se espera que os candidatos se concentrem em questões de política interna, como a recuperação da economia, emprego e saúde. Ainda assim, as críticas de Romney pretendem capitalizar sobre a instabilidade no Oriente Médio após as revoltas da Primavera Árabe.

No editorial, Romney reiterou o argumento de que os EUA, sob o governo de Obama, "parecem estar à mercê dos acontecimentos, em vez de lhes dar forma". O republicano, no entanto, deu poucos detalhes sobre suas propostas de mudança, mas disse que um novo curso significaria "restaurar" a credibilidade americana com o Irã.

"Quando dizemos que a capacidade iraniana de ter armas nucleares - e a instabilidade regional que vem com ela - é inaceitável, devemos fazer com que os aiatolás acreditem em nós", disse Romney, que acusou Obama de ser muito duro com Israel, um aliado próximo dos EUA, e fraco com o Irã.

O republicano, amigo íntimo do premiê israelense, Binyamin Netanyahu, também disse que a política do governo em relação a Israel era incompreensível. A nova estratégia de Romney inclui "usar o espectro completo de nosso poder brando para incentivar a liberdade e oportunidades para aqueles que conheceram, por muito tempo, apenas corrupção e opressão", disse.

Romney, um empresário de sucesso, citou também a mesma receita que ofereceu para reativar a economia dos EUA: empregos. "A dignidade do trabalho e a capacidade para dirigir o curso de suas vidas são as melhores alternativas para o extremismo."

Pesquisas

Às vésperas do primeiro debate presidencial, Obama lidera ou está empatado com Romney em praticamente todos os temas da eleição, é o que indica uma nova pesquisa do Washington Post-ABC News. Os números destacam uma disparidade entre a disputa no plano nacional e em Estados-chave, onde a campanha e a propaganda dos dois candidatos se intensificaram.

Basicamente, no plano nacional, a disputa continua como em setembro, com ligeira vantagem para Obama (49% a 47%). No entanto, em três Estados-chave (Flórida, Ohio e Virgínia), o presidente tem uma liderança mais folgada (52% a 41%). Romney, portanto, entrará no debate, em Denver, sob forte pressão para dar uma reviravolta em uma campanha na qual vem perdendo terreno.

Com Reuters

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.