EFE/EPA/JOSE COELHO
EFE/EPA/JOSE COELHO

Ascensão da extrema direita ameaça formação de governo em Portugal

Pesquisas indicam crescimento do partido ultraconservador Chega, que pode se tornar a terceira força do Parlamento, ampliando a instabilidade da política portuguesa

Mara Bergamaschi,, Especial para o Estadão / Lisboa

23 de janeiro de 2022 | 05h00

LISBOA - Portugal realiza no dia 30 eleições legislativas antecipadas para renovar a Assembleia da República, formada por 230 deputados – etapa que precede a indicação do primeiro-ministro. Pesquisas indicam um cenário indefinido. Pela primeira vez, a extrema direita aparece bem posicionada, com chances de ampliar sua bancada, ameaçando a coalizão socialista.

Segundo sondagens, a disputa será acirrada entre o Partido Socialista (PS), de centro-esquerda, e o Partido Social-Democrata (PSD), de centro-direita – provavelmente, sem que ninguém consiga maioria. “Estamos numa interrogação quanto à formação do novo governo”, admite o cientista político António Costa Pinto, da Universidade de Lisboa.

A novidade é o Chega, partido populista de direita, que pode passar de um deputado para sete, segundo projeções citadas por Costa Pinto. Fontes da campanha do PS calculam que a legenda pode eleger mais de uma dezena de parlamentares. 

“É pouco provável que a direita radical populista seja chamada para compor o governo. O PSD tem repetido que não faria isso. Mas, se o Chega sair como terceiro partido, ele pode ser indispensável para a direita governar”, disse Costa Pinto. “O grande problema é que essas eleições pegaram de surpresa a sociedade portuguesa.”

A surpresa foi a dissolução do Parlamento, em novembro de 2021, determinada pelo presidente, Marcelo Rebelo de Sousa (PSD), depois que o primeiro-ministro, António Costa (PS), não conseguiu aprovar sua proposta de execução das contas públicas, algo que não ocorria desde a democratização, em 1974.

O gabinete socialista ruiu por discordâncias no orçamento. Para a esquerda, era insuficiente o que o premiê planejava gastar com programas sociais. Para a direita conservadora e liberal, ele queria gastar demais. O impasse provocou a antecipação das eleições. 

Os socialistas lideram a disputa, mas sem sinais de que conquistarão a maioria no Parlamento. A principal bandeira de Costa é fazer cumprir o orçamento rejeitado, que aumenta o salário mínimo e as aposentadorias, além de reforçar o caixa do Sistema Nacional de Saúde (SNS), equivalente ao SUS do Brasil. 

Sua estratégia de campanha, de responsabilizar seus antigos parceiros pela crise, pode encolher a votação do Bloco de Esquerda (BE) e do Partido Comunista Português (PCP) – aumentando as chances dos liberais e dos populistas radicais de direita, como o Chega. 

Em segundo lugar nas sondagens, bem perto do PS, aparece o PSD, liderado por Rui Rio – que poderia receber a incumbência de formar o governo das mãos do presidente Marcelo, seu correligionário. Analistas têm dúvidas se a coalizão socialista, que ganhou o nome de Geringonça, em 2015, é capaz de superar a troca de acusações entre Costa e ex-aliados. O professor Costa Pinto, porém, não descarta um acordo entre PS e PSD.

O quadro de instabilidade é reforçado ainda pelo fato de as pesquisas terem errado o resultado nas últimas eleições municipais de Lisboa, dando vitória ao PS, quando as urnas deram vitória para o PSD, em setembro. 

Não bastasse a crise do orçamento, a política em Portugal está agitada também pela brutal disseminação da variante Ômicron. Apesar de saber há mais de dois meses que as eleições seriam realizadas em janeiro, o governo não preparou um esquema de votação para reduzir os riscos de contágio. 

Foi apenas na última semana que a Direção-Geral de Saúde (DGS) anunciou um protocolo sobre como os eleitores infectados poderão votar: com máscara cirúrgica ou de alta proteção, preferencialmente entre 18 horas e 19 horas. Segundo a DGS, estão hoje confinados em casa 600 mil portugueses. 

A decisão do governo de liberar o voto dos infectados em horários específicos foi considerada um risco e contestada por médicos, que dizem que será inevitável o cruzamento com pessoas sadias. Profissionais de saúde exigem, além de um horário diferente, locais separados de votação. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.