Suhaib Salem/Reuters
Suhaib Salem/Reuters

Ascensão de salafistas põe em risco turismo no Egito

Salafistas propõem aplicar a lei islâmica no turismo, segregando estrangeiros e egípcios

Efe,

19 de janeiro de 2012 | 10h10

CAIRO - A força do partido salafista Al Nour nas eleições legislativas que ainda estão sendo realizadas no Egito levantou incerteza sobre o modelo que a formação política islâmica defende para o turismo, uma das principais fontes de renda do país.

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

Os salafistas propõem aplicar a "sharia" ou lei islâmica no turismo, o que parece apontar para uma segregação do setor entre os estrangeiros e os egípcios.

O porta-voz do partido Al Nour, Mohammed Noor, esclareceu que a aplicação da lei islâmica exige que haja praias particulares para os turistas, que não se misturariam com os egípcios, o que, segundo ele, requer um novo planejamento dos complexos turísticos do país.

"Queremos que o turista vá à praia, coma e beba o que quiser em privacidade", disse Noor.

No entanto, o porta-voz do partido Al Nour disse que "não vai ser permitido tudo nas praias", já que o visitante deve respeitar os costumes e as tradições do país muçulmano.

Para o salafista, o principal problema é a administração e o planejamento do setor turístico e não a proibição do álcool e do biquíni nas praias.

Entretanto, as declarações recentes de alguns xeques salafistas a favor da proibição do álcool e do uso do biquíni nas praias dispararam os alarmes no Ministério do Turismo.

O titular dessa pasta, Mounir Fakhry Abdel Nour, considera que essas manifestações contra o uso de biquínis ou o consumo de álcool são apenas "sandices", explicou em entrevista à Agência Efe na sede de seu Ministério.

"Nenhum Governo responsável pode tomar essas medidas", apontou o ministro, que liderou no último mês vários atos de protesto do setor turístico egípcio contra a adoção de decisões proibitivas desse tipo.

Na opinião do ministro, o principal desafio do turismo é a segurança: "quando a situação for estabilizada, a lei e a ordem restauradas, os visitantes voltarão", disse Abdel Nour, em referência à diminuição do número de turistas no último ano.

A diferença de pontos de vista provocou uma disputa entre os salafistas e o Ministério sobre quem deve representar o Egito na Feira Internacional de Turismo de Madri (Fitur), uma das mais importantes do setor no mundo.

Os islâmicos pretendem participar da delegação de seu país na Fitur, mas o Governo se nega categoricamente.

No fundo dessa disputa estão duas visões sobre como abordar a retomada do setor de turismo no Egito, que se viu afetado após a revolução que derrubou o presidente Hosni Mubarak há quase um ano e ao posterior clima de instabilidade.

Atualmente, apesar de ainda não ter sido divulgado os resultados finais das eleições à Câmara Baixa do Parlamento, que terminaram na quarta-feira, o Al Nour ficaria como segunda força, atrás da Irmandade Muçulmana, o que aponta para um Executivo de corte islâmica.  

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeEgitoárabesalafistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.