Abir Sultan/EFE
Abir Sultan/EFE

Ashton reúne-se com Netanyahu antes do pedido palestino à ONU

Representante da UE discutiu 'relações com palestinos e a situação na região', mas não entrou em detalhes

EFE

14 Setembro 2011 | 09h20

JERUSALÉM - A Alta Representante para as Relações Exteriores e Política de Segurança da União Europeia, Catherine Ashton, reuniu-se nesta quarta-feira, 14, com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em uma tentativa de reativar as negociações de paz no Oriente Médio antes que a ONU receba na semana que vem uma proposta palestina para o reconhecimento como Estado.

 

Veja também:

especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

Fontes da delegação europeia consultadas pela Agência Efe disseram que a conversa foi centrada "no processo de paz antes que o assunto chegue à ONU", mas não quiseram dar detalhes sobre uma possível iniciativa diplomática de última hora para evitar ou suavizar o conteúdo da proposta apresentada pelos palestinos.

 

 

Ashton, que chegou nesta terça-feira à noite a Jerusalém a partir do Egito, reuniu-se na primeira hora com Netanyahu e logo em seguida com o titular da Defesa, Ehud Barak.

 

"A reunião, que durou uma hora, foi focada nas relações com os palestinos e a situação na região", indica o comunicado do escritório de Barak, quem esteve depois com o enviado especial do Quarteto, Tony Blair.

 

Às 13h (7h de Brasília), Ashton tem prevista uma reunião com o titular de Relações Exteriores, Avigdor Lieberman.

 

As fontes da delegação europeia não confirmaram, no entanto, se o Quarteto de Madri (formado pelos Estados Unidos, UE, Rússia e ONU) se reunirá na próxima semana em Nova York para tentar contornar a possível crise gerada pelas divergências entre os membros sobre a votação na ONU.

 

Após quase duas décadas de processo de paz, os palestinos pedirão na semana que vem à ONU o reconhecimento como Estado, uma medida à qual se opõem os EUA e alguns membros da UE, entre eles Alemanha e Holanda.

 

O presidente americano, Barack Obama, advertiu na segunda-feira que se o pedido chegar ao Conselho de Segurança, como aparentemente já decidiu o presidente palestino, Mahmoud Abbas, vetará a resolução, uma declaração que gerou críticas palestinas pela suposta perda de imparcialidade como principal mediador no processo.

 

Ashton, que já esteve em agosto na região, explicou no Cairo que a UE ainda está estudando a proposta palestina e expôs em comunicado prévio a sua viagem a "necessidade de relançar o processo de paz" em qualquer circunstância.

 

A representante comunitária tenta resolver a falta de coesão da política externa europeia com o reativação das negociações e um texto mais moderado que permita a seus membros votar em seu conjunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.