REUTERS/Dustin Chambers
REUTERS/Dustin Chambers

Asiáticos nos EUA culpam racismo por massacre na Geórgia

Crimes de ódio contra asiáticos aumentaram 150% em 16 das maiores cidades do país em relação ao ano anterior; pandemia piorou o quadro

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2021 | 16h08

Quando Helen Kim Ho soube que um homem branco que se dizia viciado em sexo foi acusado de matar oito pessoas - incluindo seis mulheres asiáticas - em um spa na área de Atlanta na terça-feira, 16, ela imaginou os estereótipos de mulheres asiáticas que devem ter ocorrido em sua cabeça.

“Não somos realmente americanos, somos perpetuamente estrangeiros, e essa ideia se aplica às mulheres como sendo excessivamente sexualizadas”, disse Ho, uma coreana-americana e fundadora do grupo de defesa Asian Americans Advancing Justice in Atlanta.

"Tudo isso deve ter acontecido na própria mente deste homem. Além da noção tácita de que os asiáticos são alvos fáceis.” A polícia de Atlanta disse que o suspeito afirmou a eles que suas ações não tinham motivação racial - embora o atirador tivesse como alvo empresas conhecidas por empregar asiáticos, e seis vítimas eram mulheres asiáticas. O suspeito disse que tinha um “vício em sexo”, de acordo com a polícia, e queria eliminar a tentação.

A intenção do atirador parecia cristalina para os asiáticos que vivem em Atlanta e em todo o país, que há muito tempo enfrentam estereótipos, assédio odioso e até violência - e que dizem que as coisas ficaram ainda piores em meio à pandemia do coronavírus.

Entre 19 de março de 2020 e 28 de fevereiro de 2021, houve 3.795 relatos de incidentes que variam de comentários casualmente racistas a ataques violentos contra asiáticos. Segundo dados do centro de estudos de extremismo da California State University, em 2020, crimes de ódio anti-asiáticos em 16 das maiores cidades do país aumentaram quase 150% em relação ao ano anterior, mesmo com o número total de crimes de ódio denunciados à polícia ter diminuído.

Escalada

Uma torrente de ódio e violência contra asiático-americanos nos EUA começou nos primeiros dias da pandemia do coronavírus. Os líderes comunitários dizem que o preconceito foi estimulado pela retórica do ex-presidente Donald Trump, que se referiu ao coronavírus como o "vírus da China".

Em Nova York, uma onda de xenofobia e violência foi agravada pelas consequências econômicas da pandemia, que desferiu um golpe severo nas comunidades asiático-americanas de Nova York. Muitos líderes comunitários dizem que os ataques racistas estão sendo ignorados pelas autoridades.

Em janeiro, um homem de 84 anos da Tailândia foi violentamente jogado no chão em San Francisco, resultando em sua morte em um hospital dois dias depois. O ataque foi filmado. A situação grave fez o presidente dos EUA Joe Biden e a vice-presidente Kamala Harris marcarem uma reunião em Atlanta nesta sexta-feira, 19, com líderes comunitários e legisladores estaduais da comunidade asiática nos EUA, confirmou um funcionário da Casa Branca. 

Biden e Harris já haviam planejado uma visita à cidade como parte de uma excursão promocional para o pacote de ajuda econômica de US$ 1,9 trilhão sancionado semana passada. Biden disse na quarta-feira que "a questão da motivação ainda está para ser determinada" nos ataques na Geórgia.

“Qualquer que seja a motivação aqui, sei que os ásio-americanos estão muito preocupados. Porque, como você sabe, tenho falado sobre a brutalidade contra ásio-americanos nos últimos dois meses e acho isso muito, muito preocupante. Mas não estou fazendo nenhuma conexão neste momento com a motivação do assassino. Estou esperando uma resposta do FBI e do Departamento de Justiça. E terei mais a dizer quando a investigação for concluída."

“Neste exato momento, muitos deles - nossos compatriotas americanos - estão na linha de frente desta pandemia, tentando salvar vidas, e ainda são forçados a viver com medo por suas vidas apenas andando pelas ruas da América. É errado, não é americano e deve parar”

Perigo para as mulheres asiáticas

Para as mulheres asiáticas, o momento parece ameaçador. Assim que Crystal Jin-kim soube do ataque, ela estendeu a mão para sua mãe e seu pai, que emigraram da Coreia para os Estados Unidos. Em um texto, ela os exortou "a se proteger, a ter cuidado e a orar". Ela pensou em remarcar uma de suas próximas consultas médicas e se preocupou com a possibilidade de sua mãe trabalhar em uma pequena empresa na área de Atlanta.

“Desde criança, ouço pessoas gritarem calúnias raciais comigo ou com meus pais, ou testemunhei meus pais serem tratados como se fossem estúpidos porque o inglês deles não é perfeito, embora o inglês da minha mãe seja muito bom”, disse Kim , uma coreana-americana de segunda geração.

"Esses pequenos momentos realmente somam. Acho que nunca falamos contra esses pequenos momentos. É mais fácil tentar não pensar sobre isso ou deixar para lá. Para tentar enterrar a dor". 

Ela conta que pessoas se debruçam para fora dos carros para gritar "asiático!" para ela. Várias vezes falaram como ela “deve gostar de Jackie Chan”, o artista marcial e ator de Hong Kong. Como mulher asiática, ela disse que os homens costumam atribuir características a ela que não refletem sua personalidade - ou seja, ela é ingênua ou de fala mansa.

“Sério, eu não sou - sou muito falante e extrovertida”, disse Kim. “São apenas pessoas tendo essas suposições e me tratando como uma garota asiática perfeita. Nem mesmo uma mulher, mas uma menina.”

David Palumbo-Liu, professor de Stanford e autor de Asiático/americano: Travessias históricas de uma fronteira racial, disse que há uma longa história, que se estendeu muito antes da Guerra do Vietnã, de fetichização e intenção assassina em relação às mulheres asiáticas. Ele citou o musical da Broadway Miss Saigon, que os críticos dizem que romantiza uma relação imperialista e retrata as mulheres asiáticas como aquiescentes e abnegadas.

O suspeito “disse que não havia motivação racial, mas por outro lado, ele está indo especificamente para esses spas onde as mulheres asiáticas trabalham para servir às fantasias sexuais dos homens brancos”, disse Palumbo-Liu em uma entrevista. 

O tiroteio tornou visíveis os piores cenários temidos por muitos asiáticos que vivem nos Estados Unidos. Muitos expressaram tristemente um sentimento semelhante: de saber que isso estava por vir.

A coalizão Stop AAPI Hate, uma organização sem fins lucrativos que documenta ataques contra asiáticos e imigrantes da Ásia, vem relatando ataques anti-asiáticos desde o início da pandemia em março passado e diz que houve quase 3.800 incidentes de ódio contra a comunidade asiático-americana e das ilhas do Pacífico nos Estados Unidos - um número que o grupo diz ser provavelmente uma fração da quantidade verdadeira.

Cerca de 3 em cada 10 adultos asiáticos disseram ter ouvido piadas ou insultos sobre sua raça ou etnia durante a pandemia, segundo o Pew Research - a maior porcentagem entre todas as raças. Mais de 68% dos relatórios documentados de assédio e violência anti-asiática desde o início da pandemia do coronavírus foram de mulheres.

“Nunca tive tanto medo de ser asiática nos EUA”, disse Dorothy Kuo, de 38 anos, que tentou explicar para sua filha de 6 anos o que havia acontecido em sua comunidade. “Eu disse a ela: 'mamãe está tendo dificuldade para se concentrar hoje porque ontem à noite oito pessoas morreram'. Eu apenas disse a ela, honestamente, o que aconteceu”, disse Kuo, que é coreana-americana, como várias das vítimas.

Kuo disse que sentiu que era importante contar à filha para que ela entendesse o mundo em que está entrando, um mundo no qual ela teria que ser mais cuidadosa como uma mulher asiática. "Já me impediram de sentar em um restaurante uma vez e mesmo assim nunca senti o que sinto agora."

Jane Kim Coloseus, de 32 anos, ficou furiosa na quarta quando a polícia de Atlanta declarou que era muito cedo para dizer se os assassinatos tinham motivação racial. “Como uma mulher asiática, isso traz à tona muitas das experiências ou assédio que recebemos ao longo de nossas vidas em geral, e isso foi completamente invalidado por causa do que o suspeito está dizendo”, disse Coloseus, uma coreana-americana que é diretora executiva da organização sem fins lucrativos Her Term, que recruta mulheres para concorrer a cargos públicos na Geórgia.

Há muito ela sente que precisa ser mais cautelosa - seja no local de trabalho ou andando na rua - por causa dos sentimentos anti-asiáticos e da sexualização dos corpos das mulheres asiáticas.

Os asiáticos há muito fazem parte da estrutura dos Estados Unidos, disse ela, mas "foram mantidos à margem como minoria modelo", e suas vozes foram ignoradas ou silenciadas. “Para mim, a equação é bastante direta”, disse ela sobre a intenção do atirador. “É motivado racialmente.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.