Aso inicia formação de governo japonês

Premiê, que deve ser confirmado hoje pelo Parlamento, escolhe político polêmico para a pasta de Finanças

AP, AFP e Reuters, Tóquio, O Estadao de S.Paulo

24 de setembro de 2008 | 00h00

O Parlamento japonês ratificará hoje Taro Aso, como primeiro-ministro. Mas, ontem mesmo, o ex-chanceler começou a compor seu gabinete, pensando na crise financeira que preocupa o Japão.Aso venceu as eleições para a presidência do Partido Liberal Democrático (PLD) na segunda-feira, com 66,6% dos votos, e deve ser confirmado hoje como chefe de governo pela Câmara Baixa, onde o bloco governista tem ampla maioria. Aso, de 68 anos, será o terceiro primeiro-ministro em um ano no Japão. Ele substituirá Yasuo Fukuda, que renunciou inesperadamente no dia 1º. Fukuda, por sua vez, havia sucedido a Shinzo Abe, que se demitiu por causa de sua grande impopularidade.O atual governo japonês tem um índice de aprovação de 40% e o Japão enfrenta sua pior crise em 50 anos. O novo premiê enfrentará o desafio de levar adiante iniciativas políticas cruciais para restabelecer a confiança do povo japonês no governo.Aso deve nomear o ex-ministro do Comércio, Soichi Nakagawa, para o Ministério das Finanças, antes das eleições gerais, que serão antecipadas para o início de novembro. Conhecido por suas declarações polêmicas, Nakagawa, de 55 anos, chegou a propor que o Japão - único país a ser atacado com armas atômicas - discutisse a aquisição de armas nucleares e alertou para o crescimento dos gastos militares da China, sugerindo que, com isso, o Japão poderia tornar-se apenas uma província do país vizinho.A indicação de Nakagawa - um conhecido defensor do livre mercado, apesar do conservadorismo do setor rural japonês - faz parte de um movimento calculado para reduzir o impacto da crise financeira americana sobre o Japão, a segunda maior economia mundial.Caso sua nomeação seja confirmada, Nakagawa terá a missão de pôr em prática a proposta de Aso de reduzir impostos e aumentar os investimentos públicos, especialmente no interior do país, base de apoio do governista PLD.Aso deve manter no cargo o ministro de Políticas Fiscal e Econômica, Kaoru Yosano, informou ontem o jornal Nikkei. Toshihiro Nikai permanecerá como ministro de Economia, Comércio e Indústria. Segundo o diário, as novas nomeações incluirão Yasukazu Hamada, como ministro da Defesa; o ex-ministro da Educação Takeo Kawamura, como chefe de Gabinete; e Hirofumi Nakasone, como chanceler.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.