REUTERS/Alkis Konstantinidis
REUTERS/Alkis Konstantinidis

Assad culpa Europa por crise dos refugiados e diz que só sai do poder se o povo quiser

Presidente da Sìria diz que continente apoia e dá cobertura ao terrorismo, e que sírios devem se unir para combater o extremismo

O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2015 | 09h12

MOSCOU - O presidente da Síria, Bashar Assad, atribuiu à Europa a responsabilidade pela crise dos refugiados em uma entrevista divulgada nesta quarta-feira, 16, por vários meios da imprensa da Rússia.

"A Europa é responsável, porque apoiou, apoia e dá cobertura ao terrorismo", disse o líder sírio, que acrescentou que o continente “chama de 'moderados' os terroristas e os divide em grupos, quando, na realidade, são todos extremistas".

Assad comentou que agora a Europa tenta "apresentar o assunto como se sua culpa fosse apenas não ter disponibilizado os recursos necessários para garantir uma imigração organizada, fazendo com que refugiados morressem afogados em sua tentativa de cruzar o Mediterrâneo".

"Sentimos dor por todas as vítimas inocentes, mas por acaso a vida de uma pessoa afogada no mar tem mais valor que a de uma morta na Síria? Como se pode lamentar a morte de uma criança no mar e fazer pouco caso de milhares de crianças, mulheres e idosos vítimas do terrorismo na Síria?", questionou o líder sírio.

Para Assad, isso é uma demonstração clara e "vergonhosa" de "dois pesos e duas medidas" da União Europeia.

O presidente sírio afirmou que a Europa apenas conseguirá diminuir a "avalanche" de refugiados "se deixar de apoiar os terroristas", que são a "origem do problema".

"Se os europeus estão preocupados com o destino dos refugiados, que deixem de apoiar os terroristas", insistiu Assad.

Além disso, o líder do regime fez um pedido a todos os sírios "para que se unam na luta contra o terrorismo, porque é o caminho para se conseguir os objetivos políticos que os sírios querem, por meio do diálogo e de um processo político".

"Se hoje perguntamos a qualquer sírio o que ele quer, sua primeira resposta será: segurança e estabilidade para todos e cada um de nós. Desta maneira, todas as forças políticas, tanto no governo como fora dele, devem se unir em torno das exigências do povo sírio", ressaltou o presidente.

Decisão do povo. Assad afirmou que só deixará o poder se o povo sírio quiser que ele abandone o cargo, e não por pressão do Ocidente.

"Sobre o presidente, ele chega ao poder com o consentimento do povo por meio de eleições, e se ele sair, ele sai se o povo quiser isso, não por causa do julgamento dos Estados Unidos, do Conselho de Segurança da ONU, da Conferência de Genebra ou do Comunicado de Genebra", disse Assad.

"Se o povo quiser que ele fique, o presidente fica. Do contrário, ele deve renunciar logo", acrescentou.

A ajuda do Irã, que tem fornecido tecnologia militar, está sendo crucial no combate ao terrorismo na Síria, segundo Assad. Mas Teerã não enviou unidades militares a Damasco, acrescentou.

Assad disse ainda que a coalizão liderada pelos EUA não tem sido capaz de enfraquecer os militantes islâmico até o momento.

O presidente sírio enfrenta uma guerra civil há mais de quatro anos e meio contra seu regime. /EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
imigraçãoEuropaSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.