Reuters
Reuters

Assad decreta anistia geral na Síria

Medida não engloba presos por terrorismo, classificação dada aos rebeldes pelo governo

Agência Efe,

23 de outubro de 2012 | 06h02

Texto atualizado às 16h27

DAMASCO - O presidente da Síria, Bashar Assad, decretou nesta terça-feira, 23, uma anistia geral para crimes cometidos até segunda-feira 22, informou a agência de notícias oficial síria "Sana". A medida, no entanto, não engloba presos por terrorismo - designação dada pelo regime aos rebeldes. 

Em uma nota breve, a agência assinalou que "o presidente Assad emitiu o decreto número 71, que oferece um indulto geral aos delitos cometidos antes de 23 de outubro". Esta não é a primeira vez que Assad adota uma anistia desde o início da revolta na Síria, em março de 2011. Em ocasiões anteriores o presidente ordenou anistias que beneficiavam os presos que não foram condenados por crimes graves.

Assad determinou o perdão dias antes da data proposta pelo mediador internacional Lakhdar Brahimi para o início de uma trégua durante a festa muçulmana do Sacrifício, que começará nesta sexta-feira.

Em uma tentativa de conseguir um compromisso mínimo de forças do governo e dos rebeldes, Brahimi pediu, em Damasco, que os dois lados aplicassem separadamente uma iniciativa de cessar-fogo durante o "Eid al Adha" (Festa do Sacrifício). Durante reunião com Brahimi, Assad apoiou os esforços do mediador e disse que estava aberto a qualquer iniciativa que respeitasse a soberania da Síria e rejeitasse ingerências estrangeiras.

Sobre a trégua, o principal grupo da oposição armada, o Exército Livre Sírio (ELS), pediu passos concretos do regime para demonstrar suas boas intenções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.