AP
AP

Assad diz que desistirá de reeleição em 2014 se perder apoio dos sírios

Líder sírio diz que mudanças no país nos próximos meses determinarão sua decisão

O Estado de S. Paulo,

04 de outubro de 2013 | 08h05

DAMASCO - O presidente sírio, Bashar Assad, disse nesta sexta-feira, 4, que pode desistir de disputar a reeleição nas eleições do ano que vem no país, caso sinta que essa é a vontade da maioria dos sírios. O líder sírio ressaltou, no entanto, que ainda é cedo para tomar uma decisão.

"Se eu sentir que o povo sírio quer que eu seja presidente no próximo período, eu vou concorrer ao cargo", disse Assad à TV turca Halk . "Se a resposta for não, eu não vou concorrer e eu não vejo problema nisso".

De acordo com o líder sírio, o cenário sobre sua reeleição ficará mais claro nos próximos quatro a cinco meses porque a Síria passando por rápidas" mudanças. Espera-se para os próximos meses uma convenção de paz sobre a Síria em Genebra na Suíça na qual potências ocidentais e a Rússia discutiriam uma transição na Síria. A principal divergência é a participação de Assad nesse processo.

A oposição da Síria quer que Assad renuncie e entregue o poder a um governo de transição até que novas eleições sejam realizadas. Apesar do sangrento conflito, Assad ainda tem amplo apoio entre cristãos e membros de sua seita alauíta, uma ramificação do islamismo xiita.

Transmitida na quinta-feira, a entrevista foi a última de uma série que o presidente sírio tem dado à imprensa estrangeira como parte de uma tentativa para angariar apoio público após o acordo de inspeção de armas químicas de seu regime intermediado pela Rússia, que evitou a ameaça de um ataque aéreo dos EUA.

Bashar Assad é presidente desde 2000, quando ele assumiu o cargo depois que seu pai e antecessor, Hafez Assad, morreu. Hafez governou a Síria por três décadas. O segundo mandato de sete anos de Assad deve terminar em meados de 2014. / AP

TV Estadão:  Novo programa de debates discute a crise na Síria. Assista!

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaBashar Assad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.