Assad mata 4 em cerco a universidade

Tropas do ditador sírio, Bashar Assad, invadiram ontem a Universidade de Alepo, no noroeste do país, durante um protesto estudantil. Os soldados atiraram contra os alunos e cercaram a escola. Ao menos quatro estudantes morreram, dezenas ficaram feridos e 200 foram presos. A universidade foi fechada.

DAMASCO, O Estado de S.Paulo

04 Maio 2012 | 03h05

Segundo a oposição síria, o confronto começou na noite de quarta-feira, quando cerca de 1.500 alunos organizaram um protesto contra Assad. Eles foram atacados com facas por estudantes partidários do ditador, antes das tropas de Assad atacarem o câmpus.

"Alguns estudantes fugiram para seus dormitórios para se esconder, mas foram perseguidos e espancados pelos soldados", disse o ativista estudantil Thaer al-Ahmed. "Outros sofreram cortes e tiveram os ossos quebrados enquanto tentavam fugir."

Um tiroteio intermitente se seguiu à invasão por cerca de cinco horas. A residência estudantil da universidade tem 20 prédios, que abrigam cerca de 5 mil alunos.

Os protestos contra Assad em Alepo têm se concentrado na universidade, que recebe alunos de diversas partes da Síria. A maioria da população da cidade, um importante centro econômico, é leal ao regime.

Observadores. Ainda ontem, o chefe da missão de observadores da ONU na Síria, o norueguês Robert Mood, visitou outras partes do país. Moradores de Hama e Homs disseram a ele que têm medo de sair às ruas à noite em razão dos confrontos entre o Exército e rebeldes. Em Washington, o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, reconheceu que o plano de paz da ONU para a Síria pode não dar certo. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.