Muzaffar Salman/AP
Muzaffar Salman/AP

Assad nega ter ordenado repressão violenta contra manifestantes

Em entrevista à rede ABC, ele disse que 'só um louco mandaria matar seu próprio povo'

07 de dezembro de 2011 | 11h48

Em entrevista à rede norte-americana de televisão ABC, o presidente da Síria, Bashar al-Assad, afirmou que não ordenou as medidas de violência e repressão contra as pessoas que protestam contra seu regime em todo o país.

 

Veja também:

video VÍDEO: Trecho da entrevista do líder sírio

especialMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio

tabela HOTSITE: Repressão e violência na Síria

 

De acordo com Assad, a maioria das pessoas mortas durante os protestos são apoiadores do governo. Ele garante que cerca de 1,1 mil soldados e policiais estão entre as vítimas da violência.

 

Também durante a entrevista, Assad disse que não sente culpa pela repressão violenta, porém admitiu que foram cometidos erros no país. 'Não matamos nosso povo. Nenhum governo mata sua população, a não ser que seja liderado por um louco', afirmou.

 

Ele disse, ainda, que não é dono das forças de segurança do país e duvidou das denúncias feitas por ativistas que soldados têm invadido casas, prendendo e matando civis, inclusive crianças.

 

Questionado sobre os cerca de 4 mil mortos que a ONU disse que foram vítimas da violência do seu regime, Assad disse desconfiar da seriedade da instituição.

 

Contrariando as afirmações de Assad, no entanto, ativistas denunciaram nesta quarta-feira, 7, que dezenas de corpos mutilados foram jogados pelas ruas da cidade de Homs, com sinais claros de tortura.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.