REUTERS/Alexei Druzhinin/RIA Novosti/Kremlin
REUTERS/Alexei Druzhinin/RIA Novosti/Kremlin

Assad vai a Moscou para analisar a situação de combate ao terrorismo na Síria

Líder sírio disse que extremismo dificulta uma solução política e elogiou os esforços antiterroristas russos desde o início da guerra civil no seu país

O Estado de S. Paulo

21 Outubro 2015 | 09h07

MOSCOU - O líder sírio, Bashar Assad, se reuniu na noite de terça-feira em Moscou com o presidente russo, Vladimir Putin, para analisar a situação da luta contra o terrorismo na Síria, informou nesta quarta-feira, 21, o Kremlin.

"As conversas foram bastante prolongadas", disse à imprensa o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov, ao anunciar a visita de Assad à capital russa.

Peskov acrescentou que ambos os líderes falaram, "naturalmente, de assuntos relativos à luta contra organizações terroristas e sobre continuar com a operação russa de apoio às ações das Forças Armadas sírias".

"O presidente (Putin) foi informado detalhadamente da situação na Síria", disse Peskov, acrescentando que também foram abordados diversos aspectos das relações bilaterais.

Segundo a agência oficial russa RIA Novosti, o porta-voz do Kremlin se negou a responder se, nas conversas de ontem à noite, ambos trataram sobre o futuro do presidente sírio.

Assad afirmou que "o terrorismo é o obstáculo para uma solução política" na Síria, e destacou que a participação da Força Aérea russa nessas operações militares "contribui para deter a expansão das organizações terroristas na Síria".

Assad elogiou os esforços antiterroristas da Rússia desde o início da guerra civil no país. “O terrorismo que estamos experimentando hoje poderia ser mais generalizado e prejudicial se não fossem suas ações (russas) na nossa região”, disse Assad, segundo meios de comunicação locais.

Além disso, Assad reiterou a necessidade de acabar com todas as formas de apoio ao terrorismo para "abrir caminho ao povo sírio a fim de que decidam seu futuro por si mesmos".

Já Putin expressou a disposição de seu país de ajudar política e militarmente a Síria, e garantiu a Assad que fará contato com outras potências internacionais para tentar encontrar uma solução política para a guerra.

Segundo o líder russo, Moscou acredita que “um acordo a longo prazo pode ser alcançado somente dentro de um processo político com a participação de todas as forças políticas, etnias e grupos religiosos”.

O primeiro-ministro turco, Ahmed Davutoglu, disse nesta quarta-feira que espera que Assad permaneça em Moscou por mais algum tempo para dar “alívio” ao seu povo e iniciar a transição política.

Essa é a primeira viagem internacional de Assad desde o início do conflito, em março de 2011. Os meios de comunicação oficiais sírios destacaram que Assad visitou Moscou em resposta a um convite de Putin. /EFE e ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.