Karel Prinsloo/Efe
Karel Prinsloo/Efe

Assange aguarda decisão sobre asilo no Equador

Nesta quinta-feira, partidários do fundador do WikiLeaks se reuniram na frente da embaixada

AE, Agência Estado

21 de junho de 2012 | 19h11

LONDRES - Julian Assange passou seu terceiro dia no interior da embaixada do Equador nesta quinta-feira, 21. O vice-ministro de Relações Exteriores do Equador, Marco Albuja, disse à Australian Broadcasting Corporation, na noite de quarta-feira, que o presidente Rafael Correa tomaria a decisão sobre o pedido de asilo do fundador e editor-chefe do site WikiLeaks em 24 horas.

Veja também:

link Assange será preso se sair da embaixada do Equador

link Rafael Correa já tratava Assange como 'perseguido' no começo de 2012

Mas Kristinn Hrafnsson, porta-voz do site fundado por Assange, disse que "pode levar horas ou dias" até que a decisão seja tomada. Falando após uma visita a Assange, nesta quinta-feira, ele disse que o Equador havia pedido informações do Reino Unido, Suécia e dos Estados Unidos e que as estudaria antes de tomar a decisão.

A embaixada equatoriana em Londres confirmou que a decisão deve vir da capital do país, Quito, mas a porta-voz Priscilla Kohn declarou que não estava certo se ela seria anunciada ainda nesta quinta-feira.

Jornalistas e alguns partidários de Assange se reuniram do lado de fora do prédio onde está instalada a embaixada, no bairro de Knightsbridge.

Desde 2010, Assange luta contra a extradição do Reino Unido para a Suécia, onde é procurado por crimes sexuais contra duas mulheres. Ele nega as acusações e afirma que o caso tem motivação política, por causa da divulgação de documentos secretos pelo WikiLeaks.

O soldado Bradley Manning, de 24 anos, norte-americano nascido em Oklahoma, é acusado de ter passado arquivos secretos para o WikiLeaks. Ele está preso e aguarda julgamento.

Per Samuelson, um dos dois advogados suecos de Assange, disser que ele "sente que é perseguido politicamente pelos Estados Unidos" por ter revelado crimes de guerra norte-americanos.

"Ele está convencido de que os Estados Unidos estão preparando acusações" contra ele, afirmou o advogado. "Para ele, o pedido de asilo não é sobre as acusações criminais que ele enfrenta na Suécia, mas ele quer ser protegido dos Estados Unidos."

Partidários dizem que o fundador e editor-chefe do WikiLeaks acredita que se for extraditado para a Suécia vai se tornar um alvo para um pedido norte-americano de extradição por acusações ligadas ao vazamento dos documentos. Muitos especialistas em lei consideram essa ideia como paranoica e fantasiosa.

O pedido de asilo de Assange à embaixada equatoriana pegou muitos de seus partidários - e até mesmo seus advogados - de surpresa. Samuelson disse que não foi informado sobre os planos de Assange até o australiano de 40 anos já ter entrado na representação diplomática.

As informações são da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.