Assange promete acelerar vazamentos

Em entrevista à BBC, fundador do WikiLeaks diz que tentativas de extraditá-lo à Suécia são parte de uma campanha de 'difamação'.

BBC Brasil, BBC

17 de dezembro de 2010 | 19h09

O fundador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, disse nesta quinta-feira que acelerará a divulgação de documentos diplomáticos secretos dos Estados Unidos.

Em entrevista ao programa da BBC Newsnight após ser libertado da prisão, em Londres, ele afirmou ainda que as tentativas de extraditá-lo à Suécia por acusações de crimes sexuais fazem parte de uma campanha de difamação.

Assange está numa casa em Suffolk, leste da Grã-Bretanha, enquanto aguarda a análise do pedido sueco para que seja extraditado. Ele nega as acusações e diz que seu caso envolve "vários interesses diferentes - pessoais, domésticos e internacionais".

Segundo Assange, seu caso "está revelando alguns aspectos perturbadores sobre a Europa". "Por exemplo, qualquer pessoa em qualquer país europeu pode ser extraditada para qualquer outro país europeu sem a apresentação de quaisquer provas", afirmou.

Na entrevista à BBC, o australiano disse que comparecerá à audiência de seu processo de extradição e que soube por seus advogados de rumores sobre um possível indiciamento seu na Justiça americana.

Uma porta-voz do Departamento de Justiça americano disse que só podia confirmar a existência de uma "uma investigação em andamento sobre a questão do WikiLeaks".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
assangevideoentrevistawikileaks

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.