Assange vai apelar da extradição para a Suécia

O fundador e editor-chefe do WikiLeaks, Julian Assange, recebeu permissão para apelar contra a extradição do Reino Unido para a Suécia, por causa de acusações de estupro. Uma audiência sobre o caso terá início em 1º de fevereiro, informou o tribunal nesta sexta-feira.

AE, Agência Estado

16 de dezembro de 2011 | 12h32

"A Suprema Corte concedeu a permissão de apelação e uma audiência foi marcada para acontecer por dois dias, começando em 1º de fevereiro de 2012", diz o comunicado do tribunal, que é a mais alta corte de Inglaterra.

A decisão significa que Assange vai passar seu segundo Natal numa mansão inglesa, de propriedade de um rico partidário do WikiLeaks, em Norfolk, leste do país.

Ele foi detido em dezembro do ano passado em razão de um mandado de prisão europeu emitido pela Suécia, por causa das acusações de duas mulheres que teriam sido vítimas de ataque sexual e estupro.

O australiano de 40 anos nega as acusações e diz que as relações sexuais com as mulheres foram consensuais. Segundo Assange, as acusações contra ele têm motivação política e estão ligadas à divulgação, pelo WikiLeaks, de centenas de milhares de arquivos secretos norte-americanos sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.