"Assassina do pára-brisa" condenada a 50 anos de prisão

Uma americana do Estado do Texas foi condenada a 50 anos de prisão por ter atropelado um pedestre e tê-lo deixado morrer aos poucos, preso no pára-brisa, sem levá-lo a um hospital. Demorou menos de uma hora para o júri popular chegar à conclusão que Chante Jawan Mallard, de 27 anos, teve culpa na morte do sem-teto Gregory Biggs, em outubro de 2001.No julgamento, na cidade texana de Forth Worth, os jurados ouviram que Mallard, depois de beber e tomar drogas, atropelou o sem-teto e dirigiu por cerca de 3 km com a vítima presa no pára-brisa. Depois, ela teria estacionado o carro em sua garagem e, ignorando os apelos de Biggs, deixou o sem-teto sangrar até morrer.Médicos ouvidos no julgamento disseram que Biggs, de 37 anos, poderia ter sobrevivido se tivesse recebido cuidados médicos a tempo. O impacto do atropelamento foi tão forte que o corpo do sem-teto atravessou o pára-brisa, e apenas suas pernas ficaram do lado de fora.De acordo com um relatório divulgado pela polícia, embora não tenha levado sua vítima ao hospital, Mallard voltou algumas vezes à sua garagem para pedir desculpas ao sem-teto. ?Ela não sabe quanto tempo demorou para o homem morrer; ela acabou deixando de ir à garagem?, diz o relatório.As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.