Assassinatos deixam policiais em alerta nos EUA

Departamentos de polícia de grandes cidades e líderes sindicais advertem colegas a usarem coletes à prova de balas e a evitar postagens provocadoras nas redes sociais após o ataque no sábado

O Estado de S. Paulo

22 de dezembro de 2014 | 12h14

NOVA YORK - Os departamentos de polícia de grandes cidades e líderes sindicais da categoria em todo território dos Estados Unidos advertem seus colegas a usarem coletes à prova de balas e a evitar postagens provocadoras nas redes sociais, depois de um homem ter emboscado dois oficiais e os matado a tiros dentro do carro no qual faziam patrulha.

Os assassinatos dos oficiais Rafael Ramos e Wenjian Liu na tarde de sábado, no Brooklyn, elevaram os temores sobre a segurança dos agentes da lei em todo o país, embora não haja evidências de iminentes ameaças. O atirador, Ismaaiyl Brinsley de 28 anos, havia prometido numa postagem no Instagram que colocaria "asas nos porcos" como retaliação pelas mortes de homens negros nas mãos de policiais brancos. Brinsley era negro, os policiais de Nova York eram um hispânico e um asiático.

Os investigadores tentam descobrir se Brinsley participou de protestos contra as mortes de Michael Brown e de Eric Garner, cujos nomes ele invocou em sua ameaça on-line, ou simplesmente se ligou à causa como desculpa para um último ato de violência.  Os assassinatos aconteceram num momento tenso, em que a polícia tem sido criticada pelas mortes de Garner, em Nova York, e de Brown, em Ferguson, Missouri. Nas últimas semanas grandes protestos foram realizados, depois de júris populares decidirem não indiciar os policiais envolvidos nas mortes.

Após as mortes dos oficiais, uma mensagem do sindicato aos 35 mil oficiais da polícia de Nova York advertia os policiais de que eles deveriam responder a qualquer chamado de rádio com dois carros, "independentemente da opinião do supervisor de patrulha". O presidente do sindicato dos detetives disse aos membros da organização, em carta, que eles devem trabalhar em trios quando saírem às ruas, usar coletes à prova de balas e prestar atenção nos arredores.

Outra diretriz adverte os oficiais de Newark, New Jersey, a não fazerem patrulhas sozinhos e evitar pessoas que procurem confronto. Ao mesmo tempo, um memorando da polícia de Nova York pede aos oficiais que limitem seus comentários "por todos os meios, incluindo redes sociais, a expressões de tristeza e condolências".

Na Philadelphia, o comissário de polícia Charles Ramsey pediu aos líderes dos protestos pelas mortes de Garner e Brown que "peçam calma e não permitam que isso se intensifique ainda mais". Em Boston, o comissário de polícia William Evans disse que a polícia emitiu um alerta para oficiais com o objetivo de adverti-los sobre as mortes em Nova York e que o departamento de polícia havia emitido vários alertas após a decisão do júri popular em Ferguson. / ASSOCIATED PRESS 

Mais conteúdo sobre:
EUApolíciamortesalerta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.