California Department of Corrections and Rehabilition via AP
California Department of Corrections and Rehabilition via AP

Assassino de Bobby Kennedy consegue condicional e libertação depende de governador da Califórnia

Sirhan Sirhan, de 77 anos, passou 53 na prisão; dois filhos do ex-senador defendem sua soltura

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2021 | 18h50

 O assassino do senador americano Robert F. Kennedy, Sirhan Sirhan, recebeu liberdade condicional nesta sexta-feira, 27, após passar 53 anos na prisão. A decisão foi tomada após dois filhos de Kennedy defenderem Sirhan e promotores se recusarem a argumentar que ele deveria permanecer detido.

Embora seja uma grande vitória para Sirhan, de 77 anos, a decisão não garante sua libertação. Ela será revisada nos próximos 90 dias pela equipe do Conselho de Liberdade Condicional da Califórnia. Em seguida, será enviada ao governador, que terá 30 dias para decidir se concorda, revoga ou modifica o texto.

Douglas Kennedy, que era uma criança quando seu pai foi morto a tiros em 1968, disse que ficou comovido com o remorso de Sirhan. Ele afirmou que o homem não deveria permanecer preso se não oferecesse risco aos outros.

"Estou impressionado apenas por ser capaz de ver Sirhan cara a cara", disse ele. “Acho que vivi minha vida com medo dele e de seu nome, de uma forma ou de outra. E estou grato hoje por vê-lo como um ser humano digno de compaixão e amor. ''

O senador por Nova York e irmão do presidente John F. Kennedy era candidato democrata à presidência quando foi morto a tiros em 6 de junho de 1968, no Ambassador Hotel, em Los Angeles, momentos depois de fazer um discurso de vitória nas primárias da Califórnia.

Sirhan, que foi condenado por assassinato em primeiro grau, disse que não se lembra do crime. Sua advogada, Angela Berry, argumentou que o conselho deveria basear sua decisão em quem Sirhan é hoje.

Os promotores se recusaram a participar ou se opor à libertação de Sirhan de acordo com uma política do promotor público do condado de Los Angeles, George Gascon, um ex-policial que assumiu o cargo no ano passado após concorrer a uma plataforma de reforma.

Gascon, que disse que idolatrava os Kennedys e lamentava o assassinato de RFK, acredita que o papel dos promotores termina na sentença e que eles não devem influenciar as decisões de libertar prisioneiros.

A história do crime é contada na série Bobby Kennedy para Presidente, da Netflix. Com quatro episódios somando 4 horas de duração, a produção aborda desde o ambiente familiar do clã Kennedy até as teorias da conspiração que surgiaram para explicar seu assassinato. /AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.