Assassino de médico que fazia abortos espera prêmio no céu

Paul Hill, condenado à morte por ter assassinado um médico que fazia abortos, disse nesta terça-feira, véspera do dia marcado para sua execução, que espera uma ?grande recompensa no Paraíso?. Excetuando-se um improvável adiamento ou anúncio de clemência de última hora, Hill, um ex-ministro religioso de 49 anos, receberá uma injeção letal na noite de quarta-feira.Hill foi condenado, em 1994, pela morte do médico John Britton e de sua acompanhante, e será o primeiro criminoso a ser executado por um ato de extremismo antiaborto. Ele não apelou da condenação. Até agora, 52 pessoas foram executadas nos EUA desde o início do ano, de acordo com o Centro de Informação sobre Pena do Morte.Numa entrevista concedida na prisão, Hill deu a entender que a execução vai transformá-lo num mártir. ?O quanto antes eu for executado... antes chegarei ao céu?, disse. ?Espero uma grande recompensa. Estou ansioso pela glória. Não tenho remorso?.Defensores do direito ao aborto temem que a execução de Hill dê início a uma onda de represálias por parte de outros radicais que partilham de seu ponto de vista. Diversas autoridades ligadas ao caso já receberam cartas com ameaças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.