Assassino de Patrícia pode enfrentar pena de morte

Promotores tentariam a pena de morte contra o homem acusado de estuprar, torturar e assassinar uma estudante brasileira que dividia o apartamento com ele e estudava inglês nos Estados Unidos. Paul Pfingst, promotor do Condado de San Diego, decidiu tentar a pena de morte porque o assassinato da estudante de 29 anos foi "muito terrível", disse nesta quinta-feira a advogada Brenda Daly. "Sua vida foi tirada de uma forma muito, muito repulsiva", disse Daly. Calvin Lamont Parker, de 31 anos, é acusado da morte de Patrícia Gallego, que viajou de São Paulo para San Diego em 1997. Gallego dividiu o apartamento com Parker durante alguns meses enquanto trabalhava como garçonete em um restaurante próximo à sua casa e estudava inglês. Seu corpo foi encontrado dentro de uma lata de lixo na cidade de Carlsbad em 14 de agosto de 2000. De acordo com as investigações, ela fora assassinada dois dias antes.Parker cortou os dedos da vítima, em uma tentativa ineficaz de evitar a identificação do cadáver. A data do julgamento ainda não foi marcada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.