Assassino de Tóquio alertou sobre massacre em site

Jovem de 25 anos atropela 17 pessoas com caminhão e mata pelo menos sete a facadas em bairro turístico

Agências internacionais,

09 de junho de 2008 | 07h31

O homem detido por matar sete pessoas e ferir outras dez no centro de Tóquio disse à polícia que avisou que cometeria o massacre em um site de internet. Descontrolado, o jovem de 25 anos jogou no domingo o caminhão alugado que dirigia sobre uma multidão de pedestres e, nos três minutos seguintes, esfaqueou 17 pessoas, entre atropelados e curiosos que se aproximaram. Pelo menos sete das vítimas acabaram mortas. O autor do ataque, Tomohiro Kato, foi imobilizado e preso na hora, com o rosto coberto de sangue.  Um site especializado em conteúdos para celulares tinha registradas várias frases nas quais se previa o massacre ocorrido, no bairro de Akihabara, no centro de Tóquio, um dos principais centros comerciais da capital japonesa -, espalhando o pânico entre as pessoas que aproveitavam o fim de semana para passear e fazer compras. Aparentemente, as mensagens foram enviadas em seqüência, durante horas, até pouco antes do massacre, e descreviam de maneira fiel a forma como os eventos viriam a se desenvolver. Seis homens e uma mulher com idades entre 19 e 74 anos estão entre as vítimas, mas as autoridades não souberam informar quantas mortes haviam sido provocadas pelo atropelamento e pelos golpes de faca. A polícia afirmou que está investigando se as mensagens foram enviadas por Kato, funcionário de uma fábrica de peças para automóveis da província de Shizuoka, ao oeste de Tóquio. "O suspeito disse que veio a Akihabara para assassinar pessoas", afirmou Jiro Akaogi, porta-voz da polícia metropolitana de Tóquio. A um policial, Kato disse que "não suportava mais viver" e "odiava o mundo". Os comentários enviados ao site estão registrados em uma conversa com o título "Vou Matar Pessoas em Akihabara". Na primeira mensagem enviada, às 5h21 no horário local (17h21 do sábado em Brasília), o assassino assegura: "Vou usar meu veículo, e se não for suficiente, usarei uma faca. Adeus a todos". O post seguinte apontava: "Ser apanhado enquanto realizo minha missão talvez seja o pior resultado". Às 6h31 (18h31 de Brasília), ele se despede: "É a hora. Já vou". Kato disse que alugou uma caminhonete na província de Shizuoka, que havia reservado no dia anterior, foi apanhá-la na manhã do dia do massacre e guiou até Tóquio. Uma mensagem posterior assegura: "Não haverá atrasos por causa da chuva", e pouco antes do massacre diz: "Acabo de chegar a Akihabara".  Nesta segunda, várias pessoas compareceram à zona e deixaram flores e outras oferendas em homenagem às vítimas. Conhecido por seu baixo índice de criminalidade, o Japão viu o número de crimes com faca crescer nos últimos anos. Em março, uma pessoa morreu e outras 7 ficaram feridas em um ataque similar, num shopping center no oeste do país. O massacre de domingo ocorreu no aniversário de outra célebre agressão a faca, cometida por um homem que invadiu uma escola primária em 2001, matando oito crianças.

Mais conteúdo sobre:
Japãoassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.