AP/France2
AP/France2

Assassino de Toulouse morreu com tiro na cabeça

Policiais queriam capturá-lo vivo e atuaram 'em legítima defesa' quando suspeito saltou pela janela do apartamento disparando

Efe,

22 de março de 2012 | 12h10

Atualizado às 12h28.

 

PARIS - Mohammed Merah, assassino confesso de sete pessoas em Toulouse e Montauban nos últimos dias morreu ferido por um disparo na cabeça em plena operação de invasão das forças de elite da Polícia francesa para capturá-lo, informou nesta quinta-feira, 22, o procurador-geral de Paris, François Molins.

Em entrevista coletiva em Toulouse, o procurador-geral insistiu que os agentes do RAID tinham o objetivo de fazer todo o possível de capturá-lo vivo e atuaram "em legítima defesa" quando o suspeito saltou pela janela do apartamento disparando contra eles.

 

Como vídeogame

O assassino "disparava como se jogasse videogame" contra os agentes que invadiram nesta quinta-feira sua casa em Toulouse, relatou Didier Durand, porta-voz da Polícia na cidade do sul da França onde foi morto o suposto terrorista.

"Nunca tínhamos visto nada igual. Disparava para todos os lados (...) "como em um filme, como em um videogame", declarou à imprensa Durand após a operação do grupo de elite da Polícia francesa.

Pelo relato dos agentes, o suposto homicida, um jovem francês de origem argelina de 23 anos disparou com metralhadora, embora ele dispusesse de outras armas.

Agentes que participaram da operação ficaram com os coletes de proteção crivados por disparos. Dois ficaram feridos, mas não correm risco de morrer.

Após 32h sitiado dentro de sua casa, no primeiro andar de um prédio de cinco pavimentos em um bairro residencial de Toulouse, a Polícia decidiu intervir. Todos os vizinhos haviam deixado suas casas e o fornecimento de energia e gás havia sido suspenso.

Durante a noite, os agentes do corpo de elite RAID tinham assediado a casa com explosões de granadas para pressionar o indivíduo.

Em algumas ocasiões ele chegou a afirmar que pretendia se render, mas mudou de ideia durante a noite e disse que sua intenção era morrer "com as armas nas mãos".

 

Contra o terrorismo

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, anunciou nesta quinta-feira uma reforma legislativa para impor penas aos que visitam sites de apologia ao terrorismo e à violência e aos indivíduos que viajam para outros países com o objetivo de doutrinarem-se nesse tipo de ideologias.

"Vamos reprimir a propagação de ideologias extremistas como crime previsto no Código Penal", ressaltou Sarkozy em uma declaração a partir do Palácio do Eliseu sobre a operação policial que matou o assassino confesso de sete pessoas em Toulouse e Montauban nos últimos dias.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.