ODD Andersen/AFP
ODD Andersen/AFP

Assassino norueguês realiza reconstituição

Segundo procurador do caso, Anders Breivik ''não demonstrou remorso'' durante procedimento de perícia realizado no sábado na Ilha de Utoya

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / PARIS

O assassino confesso de 77 pessoas na Noruega, no dia 22, retornou à cena do crime no sábado. Durante oito horas, Anders Behring Breivik reconstituiu passo a passo o massacre que cometeu na Ilha de Utoya após ter realizado um atentado a bomba em Oslo. Segundo o procurador do caso, Hjort Kraby, o autor descreveu em detalhes cada crime e "não demonstrou remorso".

A reconstituição é uma das etapas do processo que resultará no julgamento de Breivik, previsto para 2012. Segundo Kraby, o homicida forneceu "numerosos detalhes" sobre os crimes que ainda não haviam sido revelados nos depoimentos que concedeu desde sua prisão. "Durante as cerca de 50 horas em que falou sobre os fatos, ele sempre se mostrou calmo, preciso e cooperativo. Como em Utoya (no sábado)", afirmou o procurador.

Desde os atentados, a ilha está fechada aos visitantes para não atrapalhar os trabalhos da polícia. No sábado, o deslocamento foi feito sob um forte esquema de segurança, segundo imagens feitas pelo jornal norueguês The Verdens Gang. Um helicóptero sobrevoava a região enquanto Breivik, escoltado por soldados de forças especiais, atravessou o lago em um pequeno barco fechado. O assassino vestia um colete à prova de balas e era contido por um cinto de segurança - que lhe permitia caminhar, mas não se distanciar dos policiais. Sempre acompanhado, ele gesticulou, fez movimentos simulando portar armas e apontou os locais dos crimes. Na beira da praia, apontava para o lago, indicando que vítimas foram mortas tentando fugir. A reconstituição só chegou ao fim no início da noite, quando Breivik deixou a ilha no mesmo barco e depois em um furgão, que o levou de volta a Oslo.

O advogado Geir Lippestad disse que seu cliente se lembra e é capaz de descrever todos os disparos que realizou. Apesar de reconhecer a autoria dos crimes, Breivik segue se declarando inocente, sob a justificativa de que seu ataque tinha como objetivo denunciar a política "multiculturalista" da Noruega e a abertura do país aos imigrantes muçulmanos. / COM AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.