Assembléia afegã concede imunidade para crimes de guerra

O Parlamento do Afeganistão concedeu imunidade a todos os afegãos envolvidos nos 25 anos de conflito do país, disseram congressistas na quinta-feira, apesar de grupos de defesa dos direitos humanos terem feito pedido pela realização de julgamentos por crimes de guerra. A decisão aprovada na quarta-feira na Câmara dos Deputados absolve o líder do Taleban, o fugitivo mulá Mohammad Omar, e o ex-primeiro-ministro Gulbuddin Hekmatyar, que atualmente chefia seu próprio grupo militante. Grupos de direitos humanos pressionaram fortemente o governo para punir os culpados de abusos, incluindo alguns membros do Parlamento e autoridades do alto escalão do governo, dizendo que a justiça é essencial para a paz. Mas a assembléia disse que sua decisão ajudará na reconciliação em uma nação abalada por anos de guerra e luta civil. O escritório da ONU em Cabul rejeitou a lei imediatamente. "Para que qualquer processo de reconciliação tenha sucesso, o sofrimento de vítimas deve ser reconhecido e a impunidade, resolvida", disse um comunicado da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.