Assembléia formaliza projeto para reeleger Chávez

Proposta para submeter emenda a referendo deve passar com facilidade

Efe, AFP e Reuters, Caracas, O Estadao de S.Paulo

10 de dezembro de 2008 | 00h00

A Assembléia Nacional venezuelana apresentou formalmente ontem uma emenda constitucional que estabelece as reeleições ilimitadas para presidente no país, permitindo ao líder Hugo Chávez voltar a se candidatar em 2012. Aos gritos de "Uh, ah, Chávez não se vá!", os deputados venezuelanos receberam o texto da emenda da presidente da Casa, Cilia Flores. Eles convocaram para o dia 18 a primeira das duas discussões exigidas para aprovar a emenda. Como todos os parlamentares foram eleitos por partidos chavistas (a oposição boicotou as eleições legislativas de 2005), a proposta deve ser aprovada sem dificuldades.Quando receber o texto, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) terá 30 dias para convocar um referendo, no qual os venezuelanos devem aceitar ou rejeitar a proposta. "Nossa opinião e a da maioria do povo é que Chávez deve permanecer à frente dos processos de transformação que estão ocorrendo neste país", disse o deputado Earle Herrera. A reeleição indefinida estava incluída no projeto de reforma constitucional que os venezuelanos rejeitaram com 50,7% dos votos em consulta popular em dezembro de 2007. Chávez, porém, resolveu relançar a proposta em novembro, logo após as eleições regionais. O presidente saudou ontem a apresentação da proposta no no Parlamento. "O processo está sendo realizado passo a passo e estou certo de que ninguém poderá alterá-lo", disse Chávez ontem à noite em Caracas. A pressa, segundo analistas, viria da constatação do líder venezuelano de que está perdendo popularidade e a capacidade de vencer disputas eleitorais. Os cortes em gastos sociais - que cedo ou tarde terão de ser feitos para ajustar o orçamento do governo aos novos preços do petróleo - não devem ajudar a reverter esse processo. Segundo uma pesquisa do instituto Datanálisis feita antes de Chávez relançar a campanha para acabar com o limite de dois mandatos, a proposta é aprovada por apenas 25% dos venezuelanos e rejeitada por 56%, ainda que a popularidade de Chávez seja de 57%. ENCONTRO COM INGRIDNa manhã de ontem, Chávez reuniu-se com a ex-refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) Ingrid Betancourt. Ela está fazendo um giro pela América Latina para pedir apoio aos presidentes da região para libertar os colombianos que ainda estão em poder da guerrilha. Ingrid agradeceu a Chávez por seus esforços para libertá-la, mas disse que chamar líderes de outros países para mediar as negociações entre a guerrilha e o governo colombiano não é mais uma opção: "Temos de buscar caminhos diferentes aos que usamos no passado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.