Assembleia Geral da ONU condena embargo dos EUA a Cuba

A Assembleia Geral das Nações Unidas votou hoje pela condenação do embargo comercial, econômico e financeiro dos Estados Unidos contra Cuba pelo 22º ano consecutivo. Como ocorreu em anos anteriores, a votação foi esmagadora: 188 dos 193 países membros votaram contra o embargo. Somente EUA e Israel votaram a favor, enquanto Palau, Ilhas Marshall e Micronésia se abstiveram.

AE, Agência Estado

29 de outubro de 2013 | 17h33

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, disse em discurso perante os delegados da ONU que, apesar das reformas sociais e econômicas ocorridas na ilha, os Estados Unidos mantêm rígidos bloqueios ao país.

Rodríguez afirmou ainda que, com o governo de Barack Obama, os embargos se intensificaram, principalmente no setor financeiro. Segundo o chanceler cubano, o prejuízo econômico em mais de meio século de embargo a Cuba supera US$ 1 trilhão.

Ronald D. Godard, conselheiro sênior dos Estados Unidos para Assuntos do Hemisfério Ocidental, defendeu o embargo como uma das ferramentas globais dos EUA para "incentivar o respeito aos direitos civis e humanos" dos cubanos.

O embargo foi estabelecido em 1960, após as nacionalizações das propriedades de Cuba pertencentes a cidadãos e corporações dos EUA. Em 1962, as sanções foram reforçadas para um embargo quase total. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUCubaembargoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.