Assentamentos constituem crime de guerra, diz ONU

A política israelense de construir assentamentos judaicos em territórios palestinos e destruir casas e propriedades árabes representa crime de guerra, denunciou hoje Miloon Kothari, um dos especialistas da Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas. "Israel está usando a crise atual para consolidar sua ocupação", acusou ele.Por sua vez, o embaixador de Israel nos escritórios da ONU em Genebra, Yaakov Levy, rejeitou a "cópia nua e crua de uma acusação unilateral (palestina)" por parte do especialista das Nações Unidas.Kothari, um arquiteto indiano que visitou Israel e os territórios palestinos no início deste ano, afirmou: "A constante e deliberada destruição de casas e propriedades (palestinas) constitui um crime de guerra segundo as leis internacionais."De acordo com ele, a construção de novas colônias judaicas é um ato "incendiário e provocativo" e os colonos têm "liberdade para confiscar terras". Kothari citou as Convenções de Genebra, que ditam e determinam o comportamento de forças de ocupação. Os acordos de 1949 proíbem a colonização de terras ocupadas.Israel, uma força de ocupação, construiu mais de 100 colônias em terras palestinas tomadas durante a guerra dos Seis Dias, travada em 1967, e continua a construção aos olhos de todos. A desculpa do Estado judeu é que as terras capturadas estão sob disputa e não foram ocupadas. "A questão dos assentamentos é uma questão política da qual Israel e os palestinos discordam", disse Levy.Em um documento de 27 páginas, Kothari diz que Israel afirma que a expansão das colônias é necessária por causa do crescimento "natural" de sua população. Esta justificativa, no entanto, cai por terra diante das taxas de crescimentos locais: enquanto o número de colonos cresce 12% ao ano, a população de Israel aumenta apenas 2%."A ativa e sustentada implantação de colonos judeus em assentamentos tem o objetivo de anexar território e recursos naturais e limitar o espaço da população anfitriã palestina", diz o especialista da ONU. Kothari criticou também a destruição de casas durante as últimas incursões militares israelenses, como a batalha no campo de refugiados palestinos em Jenin.Segundo ele, a amplamente conhecida destruição de casas durante as operações militares, que teve o objetivo de "causar danos materiais substanciais e prejuízos psicológicos", foi apenas uma pequena parte da incessante anexação de áreas palestinas por parte de Israel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.