Assessor de Berlusconi questiona legalidade de votação

Na véspera de um voto de confiança convocado pelo atual primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, o assessor do Partido Povo da Liberdade, Renato Brunetta, questionou a constitucionalidade da medida.

AE, Agência Estado

01 de outubro de 2013 | 09h08

"Para qual governo ele está pedindo confiança?", perguntou Brunetta, referindo-se a votação que pode levar à queda do atual governo do país.

O Partido Povo da Liberdade tinha cinco ministros no gabinete de coalizão de Letta, mas todos entregaram seus pedidos de renúncia, sob ordem do líder do grupo e ex-premiê Silvio Berlusconi. Como resultado, há questões jurídicas envolvidas na votação desta quarta-feira, disse Brunetta.

Na semana passada, Berlusconi retirou seu apoio ao governo de Letta, ordenando que os cinco ministros entregassem os cargos. Em resposta, Letta convocou o voto de confiança ao Parlamento.

Berlusconi enfrenta uma divisão considerável dentro de seu partido. Para evitar que a dissidência prejudique sua disputa com Letta, o ex-premiê pediu união ao partido. "Nós precisamos ficar unidos", disse Berlusconi em uma reunião de líderes do partido. Referindo-se a reclamações entre alguns apoiadores, Berlusconi declarou: "Nós devemos lavar nossa roupa suja em casa".

O voto de confiança de quarta-feira deve acontecer no Senado às 6h30 (de Brasília). Letta disse que espera que um número de seguidores de Berlusconi contradigam as regras do ex-premiê e apoiem o atual governo.

Berlusconi está reunido com duas autoridades do partido, incluindo Angelino Alfano, o vice-primeiro-ministro, que apresentou sua renúncia.

As demissões ainda não foram aceitas. Elas teriam de ser aceitas, ou rejeitadas, antes que o voto de confiança possa ser realizada, disse Brunetta. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
itáliapolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.