Assessor de Blair admite erro em dossiê sobre o Iraque

O chefe de comunicações do governo britânico, Alastair Campbell, reconheceu que houve um erro quando trechos da tese de um estudante americano foram copiados da internet para compor um dossiê sobre as armas de destruição em massa supostamente mantidas pelo Iraque. A controvérsia sobre o dossiê - usado para embasar os argumentos do governo a favor da guerra - intensifica-se num momento em que o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, volta a ser pressionado para retirar suas tropas do país invadido, após a morte de seis policiais militares britânicos.Durante depoimento a uma comissão parlamentar, Campbell qualificou como ?lamentável? a inclusão da tese universitária no dossiê sobre a ameaça representada pelas supostas armas iraquianas. O documento foi divulgado em fevereiro pelo governo britânico.Após a morte de seis soldados britânicos no sul do Iraque, o primeiro-ministro passou a ser questionado por parlamentares, inclusive de seu Partido Trabalhista, sobre quanto tempo os militares permanecerão no país árabe. Blair disse que o contingente britânico em solo iraquiano já foi reduzido de 46.000 para 14.000. "Não sei dizer ao certo quando nossos soldados poderão voltar para casa", admitiu.Blair manifestou condolências pela morte dos seis soldados da Real Polícia Militar, cujos corpos foram encontrados ontem em Majar al-Kabir, onde treinavam a polícia iraquiana. Ele comentou que o incidente demonstra a fragilidade da situação de segurança no Iraque e prometeu incrementar os esforços para a estabilização do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.