Assessor de Bush irá depor sobre demissão de procuradores

A Casa Branca sugeriu na terça-feira permitir que Karl Rove, principal assessor político do presidente norte-americano, George W. Bush, e outras autoridades dêem a investigadores do Congresso testemunhos informais sobre a demissão de procuradores federais dos EUA.Em uma carta enviada a alguns membros importantes do Congresso, Fred Fielding, conselheiro da Casa Branca, deixou claro que não estava aceitando o pedido dos legisladores para que os suspeitos oferecessem testemunhos sob juramento."Tais entrevistas seriam reservadas e seriam realizadas sem a necessidade de um juramento, de transcrição e de subseqüente testemunho ou da subseqüente emissão de intimações", escreveu Fielding.Congressistas do Partido Democrata consideraram a oferta insatisfatória, argumentando que desejam ver as testemunhas falarem sob juramento. Mas observaram que a sugestão seria estudada antes de uma resposta formal ser elaborada.A crise em torno da demissão de oito procuradores federais dos EUA detonou uma investigação realizada pelos democratas para saber se a ação foi determinada por motivos políticos e levantou dúvidas sobre se o secretário de Justiça do país, Alberto Gonzales, está apto a continuar no cargo.A manobra da Casa Branca foi anunciada depois que Senado americano aprovou com grande margem uma medida que impede que a administração Bush escolha unilateralmente os procuradores federais americanos. Mas, embora esteja no meio de pedidos de democratas e republicanos para que renuncie, Gonzales renovou seu capital político neste terça-feira depois que o presidente Bush o telefonou para oferecer apoio. O secretário tem sido criticado pela maneira como a Justiça conduziu o escândalo, dado que inicialmente um membro do Departamento disse ao Congresso que não houve ingerência da Casa Branca nas demissões.Apagando o fogoLutando para conter o estrago, Fielding compareceu ao Congresso, na terça-feira, a fim de negociar um acordo com os chefes das comissões judiciais do Senado e da Câmara dos Representantes (deputados).Além de Rove, Fielding sugeriu que Harriet Miers, assessora jurídica da Casa Branca, preste depoimentos informais. Miers foi inicialmente acusada de ter sugerido a idéia da demissão de todos os 93 procuradores federais depois da campanha presidencial de 2004.Fielding também afirmou que podem ser entrevistados pelos congressistas William Kelley, vice-conselheiro da Casa Branca, e Scott Jennings, conselheiro político."Acreditamos que tais entrevistas seriam um último recurso e deveriam ser realizadas, se necessárias, apenas depois de o Congresso ter ouvido autoridades do Departamento de Justiça sobre a decisão tomada a respeito do pedido de demissão dos procuradores federais", escreveu Fielding.Texto ampliado às 20h18

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.