House Judiciary Committee via AP
House Judiciary Committee via AP

Assessor de Nunes se comunicou com Parnas sobre a campanha na Ucrânia, mostram mensagens

Novos documentos divulgados por democratas mostram amplo contato entre um associado do advogado pessoal do presidente Donald Trump e um assessor do principal republicano no Comitê de Inteligência da Câmara

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2020 | 23h48

WASHINGTON - Os democratas da Câmara divulgaram novos documentos na noite desta sexta-feira, 17, mostrando amplo contato entre um associado do advogado pessoal do presidente Donald Trump e um assessor do principal republicano no Comitê de Inteligência da Câmara sobre o esforço para obter material dos promotores ucranianos que seria prejudicial ao ex-vice-presidente Joe Biden.

As mensagens de texto entre Lev Parnas, que era o emissário de Rudy Giuliani para as autoridades ucranianas, e Derek Harvey, assessor do deputado Devin Nunes, republicano no Comitê de Inteligência da Câmara, indicam que o escritório de Nunes estava ciente da operação no coração dos processos de impeachment contra o presidente - e procurou usar as informações que Parnas estava reunindo.

Os textos recém-divulgados mostram que Parnas estava trabalhando na primavera passada para ligar a Harvey os promotores ucranianos que estavam repassando a Giuliani informações sobre Biden.

"Você também quer entrevistar o promotor geral que foi abandonado por Biden? Também o promotor anticorrupção? Me avise", escreveu Parnas em 19 de abril. "Amanhã funciona?" Harvey respondeu.

As mensagens também mostram que Harvey se encontrou com Parnas e Giuliani no hotel Trump em Washington.

Harvey e um porta-voz de Nunes não responderam imediatamente aos pedidos de comentário.

As mensagens de texto corroboram as alegações anteriores de Parnas de que ele organizou conversas com os promotores ucranianos para o assessor de Nunes. E aprofundam questões sobre o quanto Nunes sabia sobre a campanha de pressão - mesmo quando ele atuou como um dos defensores mais vociferantes de Trump durante as audiências de impeachment da Câmara.

"Fiquei chocado quando assisti às audiências e quando vi Devin Nunes sentado lá em cima", disse Parnas à jornalista Rachel Maddow, do MSNBC, nesta semana. "Mandei uma mensagem para o meu advogado. Eu disse: 'Não acredito que isso está acontecendo.'"

Os registros que os democratas da Câmara divulgaram em dezembro mostraram ligações entre Parnas e Nunes. Na época, Nunes disse que não conseguia se lembrar de conversar com Parnas.

Na quinta-feira, Nunes disse à Fox News que havia revisado seus registros, o que renovou sua memória de ter uma conversa.

"(Eu) verifiquei com meus registros e ficou muito claro - eu lembro daquela ligação, que era muito estranha, aleatória, falando sobre coisas aleatórias, e eu disse: 'ótimo', você sabe, 'fale com minha equipe' e boom, boom, boom. Esse é apenas o procedimento operacional normal", disse Nunes.

Para Entender

As etapas do processo de impeachment de Trump no Senado

Julgamento de presidente dos Estados Unidos começa no Senado, que vai definir audiências e decidir se convoca testemunhas; maioria republicana deve absolver Trump

No entanto, os documentos divulgados na sexta-feira mostram extensas interações entre Parnas e o assessor de Nunes - e que Harvey em abril enviou Parnas para contato com o congressista.

As mensagens mostram que Parnas e Harvey trocaram inúmeras comunicações a partir de fevereiro e organizaram várias reuniões pessoalmente, inclusive com pessoas-chave de Giuliani que foram as mais envolvidas no esforço de Biden.

"Estamos em conflito com Rudy, John Solomon e Joe na sala privada", escreveu Parnas.

O assessor de Nunes, em 7 de maio, aparentemente o convidou para o Trump International Hotel para se encontrar com Giuliani, assim como Solomon, um colunista conservador, e Joe DiGenova, advogado que trabalha com Giuliani.

"Você pode vir agora?", continuou Parnas. "Sim", respondeu Harvey.

Os textos também indicam que Parnas passou uma cópia de um dos currículos do promotor ucraniano em inglês para Harvey. Parnas também parece ter enviado a ele uma cópia do passaporte ucraniano do magnata dono da companhia de gás que colocou o filho de Biden, Hunter, em seu conselho. Como a cópia do passaporte foi obtida e o que Harvey estava planejando fazer com ele, se é que havia alguma coisa, não está claro.

Parnas, que está enfrentando acusações de campanha federal e recentemente rompeu com Giuliani e se voltou contra o presidente, disse à MSNBC nesta semana que Nunes e Harvey "estavam envolvidos em colocar todas essas coisas em Biden".

"Derek Harvey teve várias entrevistas, entrevistas que eu configurei no Skype, com diferentes promotores como (Nazar) Kholodnytsky, que é o promotor anticorrupção da Ucrânia (e) Konstantyn Kulyk, um dos principais caras que tiveram todo esse material de Biden", Parnas disse.

Parnas sugeriu à MSNBC que lhe dissessem para se comunicar com Harvey em vez de Nunes diretamente porque "Devin Nunes tinha ética, algo a ver com um comitê de ética, e ele não podia estar em destaque".

Os materiais divulgados na sexta-feira também incluem capturas de tela que Robert Hyde, ex-fuzileiro naval e candidato ao Congresso em Connecticut, enviou a Parnas discutindo a vigilância da ex-embaixadora dos EUA na Ucrânia, Marie Yovanovitch.

As capturas de tela parecem mostrar Hyde trocando mensagens de texto com uma pessoa desconhecida com um número de celular belga sobre os movimentos de Yovanovitch na Ucrânia, enquanto ele atualiza Parnas sobre a situação. Não está claro se a pessoa com o número belga estava realmente monitorando Yovanovitch.

Hyde, em uma entrevista quarta-feira com Eric Bolling no programa Sinclair Broadcasting America This Week, negou a ordem de vigilância privada em Yovanovitch e disse que suas mensagens foram enviadas a Parnas em tom de brincadeira e foram liberadas seletivamente.

Os novos materiais também ofereceram mais indicações de como Giuliani enviou mensagens ao presidente ucraniano Volodmir Zelenski através de Parnas. Em uma mensagem divulgada na sexta-feira, Giuliani parece pedir a Parnas que diga a Zelenski, por meio do procurador-geral ucraniano, que ele precisa romper com um oligarca ucraniano que está associado a ele e levar mais bens do magnata para o estado.

"Mostre a ele meus tweets e diga a ele para dizer ao presidente eleito que pare de agir como um menino e se torne homem e assuma o controle", disse Giuliani a Parnas. "Prenda esse vagabundo e pegue mais do seu dinheiro de volta". Parnas respondeu com três emoticons de polegar para cima.

As autoridades ucranianas anunciaram nesta semana a abertura de uma investigação sobre a possibilidade de o embaixador dos EUA estar sob vigilância ou ser perseguido por associados de Parnas e Giuliani. Yovanovitch foi removida de seu posto na primavera passada depois que Giuliani pediu a Trump que a demitisse e ajudou a alimentar uma campanha de pressão pública contra ela em meios de comunicação conservadores.

De acordo com as mensagens de texto divulgadas pelos democratas da Câmara, o promotor geral ucraniano Yuri Lutsenko exigiu sua demissão em troca de ajudar no esforço de Biden. /WP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.