Assessor é forçado a renunciar em Hong Kong

O assessor do governo de Hong Kong, Joseph Lian, que participou de uma manifestação a favor da democracia na semana passada, disse que recebeu nesta segunda-feira uma ordem para deixar seu cargo antes do vencimento de seu contrato. Lian fazia parte da equipe do dirigente executivo, Tung Chee-hwa. Em e-mail para amigos, o assessor relata que teve de deixar de trabalhar, mas que receberá seu salário até o fim do contrato, que expira em 14 de setembro. O porta-voz do governo de Hong Kong, Eric Chan, confirmou a saída de Lian da Unidade de Política Central, mas não deu detalhes sobre os motivos que levaram à renúncia. Chan disse apenas que o assessor não foi demitido. Na quinta-feira passada, Lian havia participado de uma manifestação pelo sufrágio universal e condenando a decisão chinesa de não permitir que os residentes de Hong Kong elejam de maneira direta seu novo dirigente, em 2007, nem tenham o direito de escolher os legisladores locais, em 2008.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.