Assessor iraniano acena com suspensão nuclear, diz jornal

Um influente assessor do regime iraniano sinalizou em comentários publicados nesta quarta-feira que o país pode vir a suspender atividades nucleares estratégicas.A declaração de Ali Akbar Velayati ao jornal francês Libération contradiz manifestações anteriores de autoridades iranianas sobre o programa nuclear, que o Ocidente suspeita encobrir o desenvolvimento de bombas atômicas - o que o Irã nega repetidamente.Numa rodada anterior de negociações, o Irã se disse aberto a discutir a suspensão, mas alegou que isso seria "ilógico" para o país. Em discurso no domingo, o presidente Mahmoud Ahmadinejad descartou a suspensão.Na entrevista, Velayati, assessor do líder supremo do país, aiatolá Ali Khamenei, disse que o Irã aceitou a suspensão no passado, mesmo que isso não tenha ajudado a resolver a disputa."Mas se continuamos a favor de uma resolução pacífica para este problema, nenhuma idéia deve ser inaceitável", afirmou."Só temos um limite: respeitar nosso direito à energia nuclear, que é garantido no Tratado de Não-Proliferação", disse ele.Velayati foi chanceler quando o presidente era o ainda influente Akbar Hashemi Rafsanjani. Ele atualmente é consultor de assuntos internacionais de Khamenei.Analistas dizem que o líder supremo, embora tenha a palavra final, consulta muitas opiniões, de radicais a moderados.O diretor da Organização de Energia Atômica do Irã, Gholamreza Aghazadeh, disse na terça-feira que o Irã não tem intenção de suspender suas atividades de enriquecimento de urânio."(O Ocidente) não vai conseguir o que está querendo", disse Aghazadeh à agência de notícias Isna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.