AFP PHOTO / SAUL LOEB
AFP PHOTO / SAUL LOEB

Assessores de Trump se esforçam para evitar vazamentos e alimentam paranoia entre funcionários

Autoridades afirmam temer a existência de uma caça às bruxas em curso para tentar encontrar o responsável pela divulgação de um relatório que aponta poucas evidências de que cidadãos de sete países de maioria muçulmana representam ameaça aos EUA

O Estado de S.Paulo

03 de março de 2017 | 10h21

WASHINGTON - O secretário do Tesouro do presidente americano Donald Trump, Steven Mnuchin, aproveitou sua primeira reunião com a cúpula do governo em fevereiro para dizer a seus assessores que não irá tolerar vazamentos à imprensa, disseram fontes com conhecimento no assunto.

Autoridades disseram que o acesso a um sistema de computador confidencial da Casa Branca foi restringido por indicados políticos para evitar que funcionários de carreira vejam memorandos sendo preparados para o novo presidente.

No Departamento de Segurança Interna, algumas autoridades disseram que temem a existência de uma caça às bruxas em curso para detectar o responsável pelo vazamento de um esboço do relatório de inteligência que mostrou poucas evidências de que cidadãos de sete países de maioria muçulmana - os quais foram alvo de um decreto presidencial de Trump, posteriormente derrubado na Justiça - representem uma ameaça aos EUA.

Esse rigor está alimentando a paranoia entre os servidores públicos de Washington, segundo os quais as restrições parecem concebidas para tentar limitar o fluxo de informações dentro e fora do governo e impedir que autoridades conversem com a mídia sobre tópicos que poderiam resultar em notícias negativas.

Algumas reportagens sobre a os problemas na nova gestão enfureceram Trump ao longo de suas primeiras semanas no cargo. Ele descreveu veículos de imprensa como "mentirosos", "corruptos", "falhos" e "inimigo do povo americano".

Em uma coletiva de imprensa realizada no dia 16 de fevereiro, Trump disse: "os vazamentos são absolutamente reais, a notícia é falsa". Além disso, ele pediu ao Departamento de Justiça para analisar a divulgação de "informações confidenciais que foram dadas ilegalmente" a jornalistas citando o relacionamento de seus assessores com a Rússia.

Várias autoridades de agências diferentes que não quiseram se identificar contaram que alguns empregados temem que seus telefonemas e e-mails possam ser monitorados, e relutam em dizer o que pensam durante discussões internas.

As fontes também disseram que os limites impostos ao fluxo de informações surpreenderam alguns integrantes do gabinete em questões importantes e criaram incertezas em governos estrangeiros a respeito das políticas americanas.

No que pode ser o esforço mais visível para conter os vazamentos, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, exigiu que alguns assessores entregassem seus celulares para que se verificasse ligações ou mensagens de texto a repórteres, relatou o site Politico no domingo 26. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosCasa BrancaDonald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.