Associação médica dos EUA desculpa-se por racismo

A Associação Médica Americana (AMA) divulgou hoje uma desculpa formal por mais de um século de políticas discriminatórias que excluíram negros. O pedido de perdão faz parte de uma iniciativa do maior grupo de médicos dos EUA para reduzir as disparidades raciais na medicina. Os problemas incluem o irrisório número de médicos negros e também o alto índice de doenças entre os negros e outras minorias."A AMA está comprometida com a melhoria de sua relação com as minorias de médicos e o aumento do número de médicos dessas minorias, para que essa força de trabalho represente de forma correta a diversidade dos pacientes da América", afirmou Ronald Davis, ex-presidente do grupo, em um comunicado postado no site da entidade.A desculpa vem 40 anos depois de os delegados da AMA denunciarem políticas de Estado e sociedades médicas locais que usavam regras do século XIX para barrar negros. Por décadas, os delegados da AMA resistiram às tentativas de obrigá-los a tratar publicamente do tema e de condenar grupos médicos menores que cometiam discriminação. Ainda que a organização não tenha tido uma política ostensiva contra os médicos negros, os médicos precisavam fazer parte dos grupos menores para participar da AMA, explicou Davis em entrevista por telefone.A entidade já realizou um pedido de desculpas similar no passado. Em 2005, o doutor John Nelson, então presidente da AMA, tratou do tema em um encontro sobre cuidados de saúde e sobre como eliminar disparidades. A nova desculpa parece uma referência mais formal ao passado embaraçoso do grupo, em um momento em que a AMA perde parte de sua influência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.